Um menino de apenas 4 anos de idade aparece em um vídeo chocante, atirando na cabeça de um homem que acabou se tornando prisioneiro do #Estado Islâmico. O vídeo divulgado pelo grupo terrorista está circulando pelas redes sociais e chocou o mundo inteiro neste último domingo (08). A informação já foi confirmada inclusive pelo "Daily Mail", jornal britânico de grande credibilidade.

Especialistas analisaram o vídeo e acham que ele tenha sido gravado no Iraque, pois é onde a organização jihadista está sofrendo grande baixa e também perdendo espaço para o governo local. Sempre que o Estado Islâmico divulga um vídeo com imagens fortíssimas, como nesse caso, é para tentar amedrontar as pessoas da região e pode ser isso que o grupo está querendo agora.

Publicidade
Publicidade

O vídeo mostra o garotinho indo com um dos integrantes do grupo até o local onde encontra-se o prisioneiro. Chegando lá, a criança pega a pistola com grande desenvoltura, mostrando que não é o primeiro contato que está tendo com a arma e atira na cabeça do homem que até o momento não foi identificado. As imagens são muito fortes e algumas pessoas que assistiram pelas redes sociais até chegaram a passar mal.

Vídeo que mostra criança matando prisioneiro é estratégia do EI

O grupo ativista "Raqqa is Being Slaughtered Silently", ou seja, "Raqqa está sendo abatida silenciosamente", foi um dos primeiros a divulgar o vídeo nas redes sociais e tem realizado diversos movimentos na internet para denunciar ao mundo as atrocidades que o Estado Islâmico tem cometido.

Usar crianças é uma estratégia antiga do EI.

Publicidade

Meninos e meninas, conhecidas por "filhotes do califado", são utilizados para assassinarem os prisioneiros inimigos e as imagens causam grande impacto e fortalecem a fama de mal do grupo. Essas crianças também ajudam nas batalhas, sendo colocadas na linha de frente na hora do combate. Todos os pequenos soldados recebem treinamento militar, assim como os jovens e bem cedo todos eles aprendem a usar as armas e passam a ter conhecimento das táticas militares. #Tragédia #Terrorismo