A intolerância religiosa é um assunto que deve ser discutido, pois ela vem crescendo muito nos últimos anos. Dessa vez, na província de Hebei, um grupo de cristãos foi gravemente espancado somente por tentarem proteger a igreja, que eles frequentavam, de ser destruída. Os agressores são ligados ao #Governo do país e o ataque aconteceu na última semana de dezembro.

As agressões acontecerem após uma tentativa mal sucedida de compra do terreno, no qual se encontra a igreja, por parte do Partido Comunista que lidera o país. Entretanto, os líderes do local não aceitaram a proposta e isso gerou uma revolta fazendo com que um grupo invadisse a igreja para tentar destruí-la.

Publicidade
Publicidade

Só que eles não contavam que os que estavam presentes no momento do ataque, iriam tentar impedir.

O grupo de vândalos ficou revoltado com a tentativa dos fiéis de impedir a danificação da igreja e partiram para agressões físicas. Felizmente, não houve nenhuma morte, mas diversos cristãos ficaram seriamente feridos e nem mesmo os idosos foram poupados das agressões.

O que agrava o caso é a falta de interesse da polícia em resolver o caso, haja vista que a #China é refém de um regime comunista, onde o governo tem muito poder sobre a população e os agressores eram participantes do partido que governa o país.

A perseguição tem se tornado algo alarmante na China. Segundo o ICC, a China é um dos piores países de todo mundo em relação à perseguição de cristãos. Dados demonstram que mais de 400 igrejas foram totalmente destruídas desde o ano de 2008.

Publicidade

Milhares de líderes religiosos vêm sendo presos simplesmente por defenderem a ideia de Jesus Cristo como o Senhor.

A explicação que muitos dão é que o Partido Comunista teme o enfraquecimento de suas forças e, para isso, tem obrigado a população a ter lealdade ao governo. Com isso, o Estado vem proibindo o trabalho de missionários provenientes de outros países e se recusou a receber opiniões de entidades religiosas como, por exemplo, do Vaticano. Muitos acreditam que até o número de cristãos presentes no país vem sendo omitido para desestimular a conversão de novas pessoas. #Polêmica