A #Igreja católica nem se recuperou dos muitos escândalos envolvendo padres pedófilos e é novamente palco de vergonha da diocese e fiéis por conta de orgias e possível envolvimento de Don Andrea Contin em rede de prostituição.

Em junho de 2016, o Papa escreveu um documento (Carta Apostólica) de título: “Como Uma Mãe Amorosa”, cujas normas rigorosas ditam que bispos que forem negligentes em casos envolvendo crianças, podem ser removidos dos seus cargos. A Carta entrou em vigor em setembro do mesmo ano. O caso teve amplo envolvimento da mídia mundial e envolveu dentre muitos, o padre Fabiano Santos Gonzaga, acusado de molestar um menor em Caldas Novas (GO).

Publicidade
Publicidade

Orgias e prostituição

Dentre muitos meios de comunicação, a Revista Veja, que cobriu o caso à época, publicou ontem (18) que, em Pádua, norte da #Itália, Don Andrea Contin, realizava orgias com várias mulheres (por enquanto a investigação envolve 9 mulheres, mas suspeita-se que outras apareçam) e estas orgias envolviam brinquedos eróticos e fantasias. A repercussão se dá não apenas porque o celibato é voto de todos os padres, mas porque aliciar para prostituição é crime.

A descoberta das práticas do padre aconteceu por conta de uma investigação de favorecimento à prostituição, onde duas das envolvidas afirmaram ter sido vítimas do padre. Uma delas se disse amante do padre desde 2014 e a outra disse que o padre aproveitou-se de um momento de fragilidade que envolvia sua separação do marido.

Don Andrea Contin é chefe de uma das igrejas mais tradicionais da Itália e o fato chocou tanto a Igreja Católica e fiéis, quanto italianos que não são da mesma fé.

Publicidade

O Vaticano está tomando providência e há a possibilidade de que Don Andrea seja processado na esfera civil, uma vez que trouxe mancha à reputação da Igreja.

Uma reportagem saiu da TV Padova, na Itália, afirma que a denúncia partiu de uma mulher de nacionalidade romena que tinha longa relação com o padre. No mesmo vídeo, Don Marco Cagol, também padre, diz que “certamente é uma ferida para a diocese inteira e particularmente para a comunidade cristã”. Muitos dos entrevistados preferiram não comentar, com medo de retaliação.

Veja o vídeo da reportagem original, abaixo:

#Escandalo