Mãe de três filhos, Emma Patterson, 24 anos, está alertando aos pais para manter bebidas quentes longe de crianças pequenas, depois que sua filha de 1 ano e 4 meses de idade sofreu queimaduras quando foi escaldada por uma xícara de chá. O líquido quente escorreu pela cabeça da pequena #Libbie Patterson, atingindo rosto, ombros e costas, após a menina agarrar a caneca de uma mesa na cozinha de sua casa. "O copo estava perto da borda da superfície de trabalho e ela estendeu a mão e agarrou. Ela queimou seu rosto, ombros, estômago e costas". Relata a mãe angustiada. "Ela gritou e começou a chorar. Eu a tirei e deixei enrolada em toalhas frias, depois que liguei para uma ambulância e ela ainda estava gritando".

Publicidade
Publicidade

Explica a mãe da garota.

Felizmente os médicos acreditam que as marcas em seu rosto não serão permanente. Libbie foi levada para o Hospital Universidade Real Stoke antes de ser transferido para o Hospital Infantil de Birmingham. Bebidas quentes são as causas mais comum de queimadura em crianças com menos de cinco anos, a 70 graus Celsius, e leva apenas um segundo para causar um corte profundo na superfície do corpo. O #incidente deixou Emma sentindo-se 'culpada'. "Os médicos disseram que ela vai cicatrizar e talvez fique sem marcas e que foi bastante sorte". Ainda disseram que ela poderia ter ficado cega, já que o chá fervente cobriu todo seu rosto. Se eu não tivesse feito aquela xícara de chá, não teria acontecido. É surpreendente como uma xícara de chá pode ter conseqüências devastadoras", lamenta Emma.

Publicidade

Agora ela resolveu compartilhar as fotos do incidente para servir de alerta para muitos pais. "Eu quero conscientizar a todos os pais como facilmente coisas como essa podem acontecer, e que não devemos descuidar de crianças na cozinha. Eu aprendi todas as lições". "Os pais precisam ver onde estão seus filhos enquanto fazem bebidas quentes. Estou horrorizado com a situação. Eu despejei chá quente na minha filha isso é tudo que penso." O Hospital Birmingham Children's trata anualmente cerca de 200 crianças por "acidentes envolvendo bebidas e #líquidos quentes".