Frances Cappuccini, de 30 anos, morreu oito horas depois de dar a luz ao seu segundo filho. Professora na escola primária, a mulher de Offham, Kent, na Inglaterra, teria pedido várias vezes para as parteiras que precisava de um parto cesárea. Apesar disso, elas foram atrasando o #parto, e pouco depois do bebê nascer, tudo se complicou. Antes de nova cirurgia, ela se despediu do #Marido, pedindo: "Se alguma coisa me acontecer, toma conta dos meninos". Cinco horas depois, Tom foi informado que sua esposa não tinha resistido.

O caso está agora em tribunal, e o advogado da família de Frances Cappuccini não tem dúvidas que se tivessem feito o parto cesárea antes, essa mulher ainda estaria viva, criando os seus filhos, ao lado de Tom.

Publicidade
Publicidade

O caso de negligência médica está sendo debatido e as conclusões sairão dentro de dez dias. Porém, o mal maior já aconteceu, quando os dois meninos perderam a #mãe, o mais pequenino, momentos depois de ser amamentado pela primeira vez.

Tudo começou se complicando quando Frances começou sentindo as primeiras contrações. A professora tinha o parto cesárea agendado para dois dias depois. Porém, o bebê se adiantou e ela teve que ir no hospital. E aí, de nada valeu seu pedido por uma cesárea. As parteiras ignoraram seu pedido, deixando entender que ela poderia aguardar por um parto natural.

Os receios dessa mãe vinham do parto de Luca, que tinha se complicado. Por essa razão, ela e sua médica tinham decidido que o parto seguinte seria por cesárea, até porque ela tinha uma condição no fígado, que não poderia aceitar epidural.

Publicidade

Todas essas informações teriam sido dadas por Frances e Tom, mais do que uma vez, com as parteiras ignorando sempre.

Só passadas doze horas, em trabalho de parto, é que a equipe médica entendeu que não estavam conseguindo e passaram para a cesárea. O bebê nasceu, mas quando Frances estava dando de mamar, começou a sangrar, ficando com as pernas em uma poça de sangue. O marido apenas teve tempo para dizer que a amava e que ia tudo correr bem. Foi aí que Frances parecia prever que alguma coisa de ruim estava para acontecer e pediu para o marido "tomar conta dos meninos". Cinco horas depois, foi comunicada a sua morte.

Alegadamente, aconteceu uma falha na remoção da placenta, por parte do médico no parto, e Frances perdeu demasiado sangue, não conseguindo acordar do pós-operatório, e acabou sofrendo uma parada cardíaca.