Três homens suecos foram presos, suspeitos de terem cometido um estupro coletivo e transmitido o crime ao vivo, através do Facebook. A polícia local pediu para que usuários da rede social entreguem a filmagem para as autoridades.

Os investigadores que tomam conta deste caso fizeram um apelo para que as pessoas que tenham as imagens do estupro colaborassem com o processo e entregassem o material.

O procurador-chefe adjunto, Magnus Berggren, afirmou que eles possuem algumas fotos e algum material em vídeo, mas eles não possuem nenhuma imagem que prove que o ataque de fato aconteceu.

Embora o vídeo tenha sido removido do Facebook, ele continua circulando pela internet.

Publicidade
Publicidade

“Dayli Mail”, um jornal britânico, publicou algumas fotos e trechos do vídeo onde é possível ver que existia uma arma na mão de um dos suspeitos.

Os jovens que participaram dessa brutalidade são maiores de idade, tendo 18, 20 e 24 anos. Eles foram presos no dia 22 de janeiro, neste domingo. No momento da prisão, eles estavam em um apartamento da cidade de Uppsala que fica a aproximadamente 70 km da capital Estocolmo.

A mulher, vítima dessa agressão, tem 30 anos de idade e estava presente no momento da prisão. As autoridades foram alertadas por membros de um grupo no Facebook que estavam assistindo o ataque que era transmitido ao vivo.

Josefine Lundgren viu a transmissão ao vivo e alertou a polícia. Ela relatou que a mulher foi despida e abusada sexualmente por um grupo de homens armados.

Publicidade

Ela ainda afirmou que o ato durou, pelo menos, duas horas, até que a polícia chegou ao local e desligou a câmera.

Um dos suspeitos que tem 24 anos, supostamente, fotografou e filmou a vítima e publicou no aplicativo de mensagens Snapchat. A testemunha ainda contou que ficou pensando como alguém poderia fazer algo assim com uma mulher?

"O estupro foi um crime terrível", afirmou um porta-voz do Facebook. Ainda de acordo com o representante da empresa, toda a equipe da rede social trabalha duro para revisar conteúdos reportados pelos usuários e afirmou que o Facebook está ao lado da justiça e irá cooperar sistematicamente com investigações criminais.

O ato de tocar as partes íntimas de alguém sem consentimento também pode ser enquadrado como estupro, dentre outros comportamentos. (Conforme Art. 213 do código penal: Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso). #Estupro coletivo