Em retaliação às declarações do presidente dos Estados Unidos, o republicano Donald #Trump, quanto ao veto de imigrantes, os países do #Estado Islâmico afetados estão proibindo cidadãos americanos de entrarem em seus territórios. O clima de tensão mundial tem sido motivo de muita preocupação, devido ao que pode estar por vir. Neste sábado (28), Trump assinou uma ordem executiva que dá ao Pentágono 30 dias para apresentar um plano estratégico com objetivo de derrotar o grupo terrorista Estado Islâmico.

Vladimir Putin e Donald Trump reúnem-se

Trump reuniu-se com os comandantes militares do Pentágono nesta sexta (27), com o objetivo de encontrar uma forma rápida e eficaz de combate ao Estado Islâmico.

Publicidade
Publicidade

O governo americano tem, no momento, uma tropa de 5.000 soldados militares no Iraque e 500 soldados das forças especiais na Síria.

Vale ressaltar que os aviões americanos bombardeiam os extremistas do Hemisfério Norte todos os dias, desde 2014.

Trump e Putin entraram em contato por telefone, neste sábado (28), e discutiram sobre quais as melhores ações e possibilidades para deter o grupo terrorista. Devido à atual relação que a Rússia tem com o regime de Bashar al Assad (ditador sírio), que é de apoio ao ditador, militares americanos estão desconfiados de uma possível união entre EUA e Rússia no combate ao Estado Islâmico.

"Esse é o plano para derrotar o Estado Islâmico no Iraque e na Síria. Acredito que será muito bem-sucedido", disse Trump

Trump fez essa declaração ao assinar o decreto para o Pentágono no salão oval, juntamente com seu vice-presidente e outros integrantes de seu governo.

Publicidade

O ano de 2017 começou agitado para os americanos, com seu presidente que até o presente momento demonstrou ser uma pessoa desequilibrada e inconstante.

Para CIA e FBI, a vitória de Trump nas eleições foi uma "manobra" da Rússia que, de de acordo com as organizações, promoveu uma série de ataques cibernéticos durante o período de eleição nos Estados Unidos. O alvo dos ataques eram e-mails de informações sobre a campanha da democrata Hillary Clinton.

De acordo com o relatório da CIA, o objetivo dos ataques às informações era de favorecer a campanha de Trump sobre a campanha da democrata Hillary Clinton. #Russia