O que era para ser uma noite de comemorações, resultou em verdadeiro caos e sofrimento, após um indivíduo fantasiado de Papai-Noel atirar contra dezenas de civis que celebravam o ano novo numa famosa boate de Istambul, capital da Turquia.

Chamado de “ataque terrorista brutal e implacável”, pelo presidente Recep Tayyip Erdogan, o atentado culminou em 39 mortes e 69 feridos, na boate Reina, nas primeiras horas de 2017, segundo informações do jornal britânico Daily Mirror, de 1 de janeiro.

Entre as vítimas do suposto terrorista, estão 15 estrangeiros de diferentes países, como Israel, Arábia Saudita, Marrocos, Líbano e Líbia.

Publicidade
Publicidade

Embora a polícia tenha invadido o local minutos após o ataque, o assassino conseguiu escapar e até o momento continua foragido.

Nas redes sociais, internautas sugerem que o terrorista, possivelmente do Estado Islâmico, teve um cúmplice. Todavia, autoridades não confirmam a hipótese.

Em declaração à imprensa turca, o presidente disse que combaterá todas as formas de #Terrorismo.

“Como nação, lutaremos até o fim contra não apenas os ataques armados de grupos terroristas e as forças por trás deles, mas também contra seus ataques econômicos, políticos e sociais”, afirma Erdogan.

De acordo com o ministro do Interior, Suleyman Soylu, a identidade do criminoso permanece desconhecida. Ele continua a andar livremente pela Turquia.

Abaixo, veja imagens do criminoso, captadas pela câmera de segurança.

Publicidade

No entendimento do presidente Erdogan, o ataque visa desestruturar o país. “Eles [terroristas] estão tentando criar caos, desmoralizar nosso povo e desestabilizar nosso país com ataques abomináveis ​​que visam civis”, avalia.

Alemanha, Estados Unidos e Rússia já enviaram condolências à Turquia, e se dizem dispostos a ajudar no que for necessário à captura do terrorista.

"É difícil imaginar um crime mais cínico do que matar pessoas inocentes durante celebrações de Ano Novo", fala Putin.

Em declaração à imprensa turca, o dono da boate, Mehmet Kocarslan, conta que dez dias antes do atentado, ele havia aumentado a segurança do local, devido a avisos de oficiais de inteligência norte-americanos, sobre possíveis atentados na turquia.

Kocarslan também afirma que o massacre foi executado por meio de um rifle russo Kalashikov.

Segundo o site virgül, da Turquia, enquanto matava as pessoas, o assassino gritava em árabe.

Agora, só resta aguardar pelo próximo atentado...

#Mídia #Curiosidades