Na cidade de Las Salinas, na República Dominicana, os "guevedoces" (expressão que literalmente significa "pênis aos 12) são jovens que, devido à falta de uma enzima específica, apenas desenvolvem o pênis na adolescência. Trata-se de uma condição genética que atinge uma em cada 90 crianças do local. Esses garotos também são conhecidos como "machihembras", que significa "primeiro uma mulher, depois um homem".

A existência dos jovens começou a ser noticiada na década de 1970, quando surgiram boatos de que meninas estariam se transformando em meninos na vila, o que levou a endocrinologista Julianne Imperato, da Universidade de Cornell, nos E.U.A., a visitar a região para averiguar o que estava acontecendo.

Publicidade
Publicidade

Acredita-se que, devido à falta da enzima 5-alfarredutase, não há produção da di-hidrotestosterona, convertida pela enzima a partir da testosterona, atuando sobre o bebê ainda no útero. Dessa forma, a criança nasce sem testículos e sem um pênis aparente, que apenas irá se desenvolver quando a pessoa chegar à puberdade e seu corpo tiver uma nova descarga de hormônios. Segundo relatam, na maioria dos casos, os órgãos genitais funcionam normalmente depois que se desenvolvem.

Enquanto alguns dos garotos criados como sendo do gênero feminino decidem por mudar seus respectivos nomes, a fim de viverem normalmente como homens, outros optam por manter o nome que ganharam ao nascer. Dessa forma, não é incomum encontrar homens com nomes femininos na cidade de Las Salinas. Há também pessoas que decidem passar por cirurgia para continuar vivendo como mulheres.

Publicidade

Apesar de a condição ser considerada bastante rara na população mundial, ela acontece com tanta frequência entre os habitantes de Salinas que é encarada com normalidade, havendo até celebração quando a mudança nos genitais ocorre - muito embora as crianças sofram com brincadeiras e provocações na escola. Cientistas explicam que o relativo isolamento de Salinas pode justificar essa recorrência localizada dessa condição intersexual.

Em entrevista para o Dr. Michael Mosely, apresentador de uma série sobre concepção e gravidez exibida pela BBC2, intitulada "Countdown to Life - The Extraordinary Making of You", Johnny, que recebeu o nome de Felicita, contou sobre como não gostava de usar vestidos, nem de brincar com as meninas, e que ficou muito feliz quando seu pênis se desenvolveu. Porque nasceu em casa, e não no hospital, foi lido como uma garota, mas os pais não sabiam qual era realmente seu sexo biológico.

O caso dos guevedoces nos mostra como as fronteiras entre os gêneros não são tão fixas e precisas na natureza, e que está na hora de revermos a ideia de que só existem homens e mulheres nos moldes tradicionais. #Curiosidade #Intersexo