A criminalidade é um problema social em diversos lugares e o que mais impressiona é o requinte de crueldade dos bandidos. Com o avanço das tecnologias, os criminosos chegaram rapidamente a internet, e assim como as outras pessoas, usam seu perfil em redes sociais para interagirem com seus amigos.

Esse foi o caso de Atlanta, uma jovem de 21 anos que tinha suas fotos publicadas pelo seu companheiro, Halil Cetinkayali. Até então aparenta ser um casal normal que postava fotos no Facebook, mas o teor das fotos feitas pelo homem era chocantes.

As fotos que Halil postava eram relacionadas a agressão que sua companheira sofria diariamente por ele.

Publicidade
Publicidade

O homem se vangloriava nas redes das agressões realizadas por ele contra sua companheira.

E não foi uma só postagem, e sim várias, relatando as agressões que Atlanta recebia. O homem de 31 anos não parecia arrependido de seus crimes e manteve Atlanta Hammond, de apenas 21 anos, em cárcere por dois anos. A jovem é de Braintree em Essex.

A jovem reuniu forças e denunciou o agressor que foi preso após a jovem tomar a iniciativa de denunciá-lo. Mas o poder de Halil sobre Atlanta era tão imenso que o criminoso convenceu sua ex-companheira de retirar parte da queixa contra ele.

Isso fez com que halil fosse solto e continuasse apenas monitorado pelas autoridades. O pesadelo de Atlanta estava de volta, mas a jovem resolveu dar um basta nessa história mostrando para todo mundo quem Halil era.

O homem chegou a estuprar a jovem e filmar, dizendo que se ela o deixasse que ele iria usar o vídeo contra ela.

Publicidade

Quem usou o vídeo contra Halil foi Atlanta, que tinha uma prova irrefutável contra Halil. Após a jovem tentar fugir e ser atacada por Halil em plena luz do dia, o criminoso foi preso novamente.

Somente após a prisão de Halil pela segunda vez é que Atlanta conseguiu falar sobre os abusos que vinha sofrendo. A jovem contou a polícia que era mantida em cárcera, impedida de ter contato social com pessoas além de sua mãe.

Atlanta também contou como tudo começou a dar errado entre eles. No início do relacionamento Atlanta resolveu pesquisar o nome do companheiro na internet e teve uma surpresa. O companheiro não só utilizava um apelido no lugar do nome como também era procurado pela polícia.

Segundo o depoimento da jovem, as agressões e os estupros começaram aí. Fio quando Atlanta decidiu confrontar Halil sobre o que havia descoberto e o homem decidiu manter a jovem sob forte influência física e psicológica, em um relacionamento abusivo que durou três anos para a jovem.

#Crime #Casos de polícia