Rose Newman, de 27 anos, esteve cinco horas dentro de uma sala de urgência, em um hospital inglês, com o filho bebê. A mulher levou Jack, que estava doente, mas o bebezinho passou um mau bocado em uma sala sem condições, na qual a criança, com suspeita de meningite, nem uma cama tinha para deitar. Rose teve que improvisar e agora aponta culpados. A #mãe não aceita que a premier inglesa, Theresa May, esteja desvalorizando a crise que os hospitais públicos ingleses estão passando.

O pequeno Jack, de um ano de idade, esteve doente na semana antes desse episódio. O menino teve uma tonsilite aguda e os sintomas se agravaram. Temendo o pior, Rose levou o menino em uma clínica, de onde foi mandado para um #Hospital público, com suspeita de meningite.

Publicidade
Publicidade

Aí, os dois passaram por um verdadeiro caos. Com o inverno frio que está se sentindo por toda a Europa, o Reino Unido está passando por dificuldades com as gripes e pneumonias. Os hospitais estão vivendo um caos, e já não há espaço para todos os doentes.

A premier Theresa May já tinha desvalorizado as queixas das pessoas sobre o mau atendimento nos hospitais públicos, e falou que poderia ter acontecido um ou outro incidente, mas que estaria tudo normalizado com a saúde pública do país. Pura mentira, diz Rose Newman, a mulher que passou cinco horas para que uma emergência com o seu bebê fosse resolvida.

Enquanto o menino aguardava por atendimento médico, não havia uma única cama livre onde ele pudesse se deitar. Uma enfermeira deu medicação para o menino, para baixar a temperatura, mas nem uma cama pode ceder.

Publicidade

A temperatura não baixava e a enfermeira terminou o seu turno, falando que o médico já demoraria muito mais, mas o bebê teve ainda que ficar esperando.

A mãe teve que improvisar e colocou o menino para dormir, sobre duas cadeiras, na sala de espera. "Jack quase não respondia, tinha uma erupção cutânea e uma temperatura perigosamente alta", declarou Rose, sobre o estado de saúde do seu bebê.

Enquanto o menino tentava descansar, essa mãe viu mais casos como o seu, lamentando que Theresa May não tivesse assistido o mesmo. Rose contou que uma mulher estava de mãos na cabeça, esperando há oito horas, e uma mulher, com um #Bebêzinho, estaria esperando ser atendida há mais de seis horas. Esse hospital estaria caótico, e um médico teria dito a Rose que isso estava acontecendo "o tempo todo".

Rose não ficou calada e, depois de ter resolvido o seu problema com o menino, ela está contando a situação que viveu nessa urgência para que as pessoas percebam o que está de errado com o serviço nacional de saúde, a ver se ainda é possível salvá-lo.