Uma decisão de última hora pode ter sido vital para que a jogadora de #Vôlei da Seleção Brasileira, Thaísa, escapasse do atentado ocorrido na madrugada deste domingo (1º), em uma boate de Istanbul, na #Turquia. Atleta da equipe do Eczacibasi, a bicampeã olímpica desistiu de ir até a boatr Reina momentos antes do incidente, que, até agora, matou 39 pessoas e feriu cerca de 70, segundo autoridades daquele país.

Pelas redes sociais, o marido da atleta, o jornalista da Rádio Bradesco, Guilherme Pallesi, contou que eles haviam combinado de ir até o local passar a virada de ano, mas, pouco antes, a jogadora acabou desistindo de ir.

Publicidade
Publicidade

“Eu e a Thaisa estamos bem, iríamos ao Reina ontem, Thaisa não quis ir e fiquei bravo com ela. Graças a Deus não fomos", escreveu através de sua conta no Twitter.

Duas vezes campeã olímpica com a Seleção Brasileira – Pequim e Londres -, Thaísa, de 29 anos, se transferiu para o vôlei da Turquia logo após os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Antes, havia ficado por oito anos no time de Osasco, onde foi bicampeã da Superliga e campeã mundial de clubes.

Segundo informações das autoridades turcas, um homem invadiu a boate por volta da 1h30, hora local, e abriu fogo contra os frequentadores. Estima-se que 500 pessoas estavam no local no momento. A casa noturna é frequentada por artistas, empresários e jogadores de futebol. Pelo menos 17 das 21 vítimas identificadas até o momento, são estrangeiras.

Publicidade

O clube fica no bairro de Ortakoy, à margem europeia do estreito de Bósforo, onde muitas pessoas acabaram se atirando na tentativa de escapar dos disparos.

A polícia ainda procura o atirador que, segundo as primeiras informações, havia entrado no local vestido de Papai Noel, fato que foi desmentido pelas autoridades turcas posteriormente. Algumas testemunhas relataram que duas ou três pessoas participaram da ação, que foi classificada como um ato terrorista. Os Estados Unidos condenaram o ataque e afirmaram, em comunicado, que ficarão em contato com as autoridades turcas durante a investigação. #Atentado