Novas histórias de #Refugiados surgem quase todos os dias. Sua população aumenta todo o ano. Milhares de famílias são forçadas a deixar suas casas, sua terra natal, suas vidas cotidianas para trás. Uma quantidade incontável de crianças vive atualmente nestas condições. Isso deve-se ao fato de ocorrerem conflitos políticos, guerras pelo poder e situações de guerrilha. África, Oriente Médio, Europa e Ásia são palcos desses conflitos que obrigam inúmeras famílias a fugirem de seus lares em busca de refúgio.

Uma pessoa perseguida pelo seu próprio Estado de sua nacionalidade por motivos de raça, religião, opinião política, grupo social, fome, discriminação racial, se ausentou do país por causa destes termos apresentados, é um refugiado.

Publicidade
Publicidade

Os fatos estão aí, são bem reais. Podem estar ocorrendo neste exato momento em que lemos estas linhas. É um #trauma doloroso, principalmente para as crianças.

Mente criativa

Olugbemisola Rhuday-Perkovich mora em Nova York. Gosta de artesanato, cozinhar, de uma longa caminhada e de ensinar a escrever. Ela ama bibliotecas. É mãe, esposa e escritora de livros infantis. Ela expõe em seu site livros de vários autores que contam histórias tocantes e inspiradoras, que desvendam o drama dos refugiados.

Olugbemisola diz que ao ler estes livros, as histórias facilitam o diálogo e promovem conversas sobre o tema. Ajuda-nos a sentir empatia pelos refugiados - em sua maioria, crianças - a entender, a inspirar jovens leitores a ajudarem a própria comunidade em que vivem, tornando-a um ambiente acolhedor e amigo.

Publicidade

Livros que despertam

Teacup, escrito por Rebeca Young, conta a história de um garoto que sai de sua terra em busca de outra. Vai sozinho num barco a remo, levando apenas seu cobertor, um livro e um pouco de terra da sua terra natal em um copo de chá. Para leitores de todas as idades. Outro bom livro é Mama's Nightingale, escrita por Edwige Danticat, expõe o vínculo entre a mãe e sua filha. Saya, cuja mãe é detida, escreve sobre a experiência dela e envia seus escritos ao seu pai. Quando este recebe, envia a história para um jornal que conta a história de Saya em primeira mão.

Estes e outros livros estão expostos no site de #Olugbrmisola são histórias que despertam a luz sobre um tema tão polêmico e atual em nossos dias.