Milhares de pessoas em mais de 20 países ao redor do mundo saíram às ruas na tarde de sábado (21) para participar da Marcha das Mulheres, um protesto contra o atual presidente americano #Donald Trump, que tomou posse na última sexta-feira (20). A manifestação teve como objetivo promover e proteger os direitos das mulheres, imigrantes, LGBT, igualdade racial, deficientes físicos, questões trabalhistas e questões ambientais. Os manifestantes acreditam todos estão em risco no governo Trump.

Os manifestante vestiam gorros com orelhas de gato, ou "pussy hat", acessório que se tornou símbolo dos protestos pela igualdade de gênero e que faz referência direta aos áudios vazados durante a campanha eleitoral americana.

Publicidade
Publicidade

Nas gravações, Trump se gabava de beijar e tentar fazer sexo com mulheres, mesmo casadas, ao dizer que "quando você é uma estrela, elas (as mulheres) deixam você fazer o que quiser. Você pode agarrá-las pela pussy". Em um trocadilho, "pussy" tanto pode significar gatinho quanto uma forma pejorativa para se referir ao órgão sexual feminino.

#Madonna, que também vestia o adorno símbolo da manifestação, chegou de surpresa e subiu ao palco para fazer um discurso enraivecido contra as ideias sexistas de Donald Trump e em apoio às minorias, chegando a dizer que sua vontade era explodir a Casa Branca ao saber que o republicano venceu as eleições em 2016.

"Conseguem me ouvir? Estão prontos para abalarem o mundo? Sejam bem-vindos à revolução do amor, à rebelião, à recusa desta onda tirana, que põe não só as mulheres em perigo, mas também todas as pessoas marginalizadas", disse a rainha do pop em suas palavras inciais.

Publicidade

"Hoje é o início da nossa história. A revolução começa aqui. A luta pelos direitos de sermos livres, de sermos quem nós somos, de sermos iguais. Vamos marchar e atravessar a escuridão", discursou a cantora.

E para quem duvidou das Marcha das Mulheres, ela mandou um recado: "Para os nossos inimigos que disseram que essa marcha não teria do menor efeito, vão se f... Vão se f...!" repetiu a cantora.

Madonna ainda fez uma versão especialmente para o presidente durante sua performance de “Human Nature”, onde cantava “Donald Trump chupe um p... Eu não sou sua vadia!”, pedindo a participação do público, que vibrava ao repetir o refrão. Logo depois, a cantora foi retirada do palco em Washington por seguranças.

A estimativa é de que 500 mil pessoas tenham participado do protesto apenas na capital norte-americana, e mais de 2 milhões em cidades em todo os Estados Unidos, se tornando a maior manifestação em um único dia na história americana.

Publicidade

Outras celebridades também demonstraram apoio

Além de Madonna, a Marcha das Mulheres também recebeu apoio de muitas outras personalidades famosas, como Cher, Julianne Moore, Katy Perry, Demi Lovato, Olivia Wilde, Katy Perry, Lupita Nyong’o, Alicia Keys, Scarlett Johansson.

Scarlett Johansson em discurso em Washington:

Emma Watson na Marcha em Washington:

Jane Fonda e Miley Cyrus na Marcha de Los Angeles:

#EUA