Uma garota de apenas 12 anos, residente na cidade de Cedartown, na Geórgia, Estados Unidos, tomou uma atitude radical e decidiu transmitir tudo ao vivo através de seu perfil no Facebook. A menina foi para o quintal de sua residência e se enforcou. A gravação dura cerca de 20 minutos e começa com a jovem Katelyn Nicole Davis contando tudo sobre quando foi abusada sexualmente e por uma pessoa da família. Ela vai contando todos os detalhes e no final se mata.

Na gravação, a menina pede perdão por não ser bonita, por entrar e sair rapidamente na vida de todos, pede perdão por parecer-se com uma prostituta, por não ser boa o suficiente e se despede: "Eu sinto muito".

Publicidade
Publicidade

A transmissão foi compartilhada por um grande número de usuários da rede social e o Departamento de Polícia do Condado de Polk, bem que tentou impedir que o vídeo continuasse sendo compartilhado, mas já desistiu, pois as imagens já se espalharam por toda a internet.

No vídeo é possível ouvir uma voz, supostamente da mãe da garota, gritando. A menina ainda chegou a ser levada para o hospital, mas quando deu entrada já estava morta.

A maior preocupação das autoridades é encontrar uma forma para impedir que o vídeo sirva de incentivo para outras garotas. Os sites que estão disponibilizando o vídeo estão sendo alertados para retirarem o material, só que não há uma lei que os obrigue a fazer isso, então vai depender do bom senso de cada um.

A intenção das autoridades é mostrar para as jovens violentadas que ao invés delas se matarem, podem encontrar ajuda, denunciar o criminoso e contar com o apoio de profissionais especializados para recomeçarem a vida, mesmo que seja longe da família.

Publicidade

A garota se suicidou no dia 30 de dezembro e as investigações prosseguem, principalmente para descobrir quem foi que abusou da menina e se alguém já sabia que ela vinha sendo estuprada. Katelyn tinha postado uma mensagem em um blog, no dia 27 de dezembro, dizendo que apanhou com um cinto e que estava passando por uma depressão profunda. #Abuso Sexual #Estupro #Facebook