Timothy e Sarah Johnson estão sendo acusados, pelo tribunal de Plymouth, nos Estados Unidos da América, por não terem prestado assistência necessária para o filho Seth, de apenas sete anos. O menino não resistiu a uma pancreatite e septicemia aguda, sem que os #pais chamassem a emergência, nem o levassem no hospital. O comportamento negligente destes pais, que temiam que dessem alguma medicação para o menino, causou choque entre a comunidade de Plymouth. Em vez de chamarem ajuda médica, os pais teriam ficado rezando, depositando suas esperanças na #Religião. Isso poderia ter custado a vida do filho, e agora uma sentença na Justiça americana.

Seth era filho adotivo desse casal, que tinham reparado na doença do menino.

Publicidade
Publicidade

Eles perceberam que a #criança estava doente, mas nunca encararam o problema com a real gravidade que o mesmo merecia. De acordo com o New York Post, Timothy e Sarah tinham feito uma pesquisa pela Internet, e acreditam que o menino estivesse passando por um trauma, causado pela ingestão excessiva de álcool da mãe, durante a gravidez.

Mesmo com a criança bem doente, os pais saíram da cidade, para passarem o final de semana fora, deixando o menino sob os cuidados de um irmão, de 16 anos. Na manhã de domingo, o filho mais velho do casal teria ligado para os pais, contando que o irmãozinho estava piorando e nem queria comer. Alegadamente, o casal teria decidido interromper o final de semana e voltar para casa, preocupados com o estado de saúde de Seth.

Porém, o adolescente teria voltado a ligar, alertando que o menino tinha comido uma taça de cereal, deixando os pais mais sossegados.

Publicidade

Por isso, não voltaram tão cedo. Quando regressaram na noite de domingo, encontraram o menino deitado no chão. E é aí que está caindo a acusação por comportamento negligente. Nesse momento, os pais, em vez de ligarem para os serviços de emergência, pedindo por ajuda, começaram rezando, esperando que um milagre curasse a criança.

Só na manhã do dia seguinte, quando acordaram e viram o menino inconsciente e coberto de vômito, é que eles chamaram a emergência e tentaram reanimar Seth. Mas já era tarde demais e quando o médico chegou, o menino já estava morto.

O casal está agora sendo acusado de negligência, por terem deixado o menino doente somente com um irmão de 16 anos, e por não terem chamado a emergência médica, quando perceberam a gravidade da doença.