Foi um verdadeiro #milagre o que aconteceu na vida do americano Jacob Raak, de 35 anos. Ele estava festejando a passagem do ano novo na boate "Reina", em Istambul, na #Turquia, quando às 1h15 (horário local), ele foi baleado em uma das pernas. Era o momento de ódio de um atirador que atacava todas as pessoas do estabelecimento. Foi uma grande correria nesse momento, se ouvia gritos de desespero. O empresário estava junto dos seus amigos.

De acordo com as informações de uma agência de notícias, o tiro acertou o smartphone de Raak, que estava em seu bolso. Após atingir o aparelho, a bala seguiu do quadril e parou perto de um dos joelhos da vítima.

Publicidade
Publicidade

Segundo relato dos médicos, o empresário teve uma grande sorte, pois o celular impediu que o tiro perfurasse uma das mais importantes artéria do corpo humano. Caso não fosse o aparelho eletrônico, com certeza, ele teria morrido.

Atentado

Na boate morreram 39 pessoas e mais de 70 ficaram feridas. Os amigos de Raak também se feriram mas nada de muito grave. Eles foram levados ao hospital e a previsão é que, nesta segunda (02), já sejam liberados.

O #Estado Islâmico (EI) reivindicou o ataque à boate, em Istambul e agora a polícia está na procura do assassino. Segundo informações de uma mídia local, a Turquia foi avisada pelos Estados Unidos sobre os planos do atentado contra a boate Reina e o proprietário chegou a reforçar a segurança. Mas nada adiantou.

Esse ataque pode aumentar a instabilidade no País e não é a primeira vez que a Turquia é alvo do EI.

Publicidade

Em 19 de dezembro, deste ano, o embaixador russo, na Turquia, também foi morto enquanto discursava.

Promessas

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, prometeu que irá continuar lutando contra os terroristas e reforçará a segurança à todos os cidadãos do País. "Os terroristas querem destruir o nosso País e promover o terror na vida das pessoas", disse o presidente.

Segundo Erdogan, o País irá incrementar seus meios militares, políticos e sociais contra os Estado Islâmico e outros países que apoiam o terrorismo. Não foi especificado quais países ele se referia.