Joy Leaann McCall era, em 2014, uma moça alegre e muito sensual da cidade de Marion Oaks, localizada no estado da Flórida, nos Estados Unidos. Solteira, ela adorava publicar fotos provocantes no Facebook. Ela encontrava na companhia das amigas um alento para o fato de não ter um namorado. Com elas, ia para todos os lugares. A confiança que Leaann conseguiu foi tão grande que ela até ficava na casa das amigas. E foi com uma delas que a moça fez algo muito grave. Joy encantou-se pelo filho de uma delas. Carente, ela cometeu abusos contra a criança. A polícia americana conta que, na época, a criança tinha apenas doze anos de idade. A amiga 'solteirona' acabou descoberta e seu caso sexual com a criança exposto na mídia americana.

Publicidade
Publicidade

Mas e o que aconteceu com ela?

Nessa semana, vários portais de notícias repercutiram novamente o caso. Isso porque ele chamou muita atenção. Aqui mesmo na Blasting News contamos o que aconteceu com essa americana. Ainda no ano de 2014, o menino, animado com a descoberta da sexualidade, contou a um amigo que estava tendo um caso com uma moça mais velha. Rapidamente, o assunto virou conhecido na cidade dos Estados Unidos. A história, não demorou muito, chegou também aos ouvidos da mãe do menino, que decidiu acessar todas as contas do adolescente. Ela invadiu o celular ele e descobriu fotos sensuais de quem menos esperava, sua melhor amiga.

Muitas das tais fotos eram usando nada ou quase nada. Elas acabaram servindo de provas para mostrar que o abuso realmente aconteceu.

Publicidade

Em 2015, como mostra uma reportagem do 'Daily Mail', Joy foi enfim levada a um tribunal americano. Ela foi condenada a dez anos de prisão. No julgamento, a moça explicou que realmente teve atitudes criminosas com a criança. A confissão a ajudou, pois a pena dela poderia ser ainda maior, chegando até à prisão perpétua.

Atualmente, a jovem ainda continua presa. O caso de abuso constantemente é lembrado por programas investigativos de televisão. Abaixo o leitor pode ver uma das fotos da moça na época da prisão:

#Crime