Mais um caso envolvendo o #UBER ganha notoriedade mundial nesta semana. Na quinta-feira, 5 de janeiro, Joseph Fusco, morador de Nova Jersey, nos #EUA, processou o Uber por negligência, fraude e #agressão, entre outras acusações. De acordo com o declarado pelo americano, um motorista do Uber se recusou a fazer uma corrida e depois o espancou. Fusco declarou que foi quase morto a pancadas.

Segundo o divulgado, o incidente teria ocorrido em 22 de dezembro de 2016. Fusco estaria em uma festa na Filadélfia, Pensilvânia, e chamou o motorista para levá-lo para casa, que fica em Cherry Hill, Nova Jersey, uma distância de aproximadamente nove quilômetros.

Publicidade
Publicidade

Já eram cerca de 23 horas quando o motorista chegou. Joseph Fusco não declarou para onde iria e só comunicou o destino quando entrou no veículo. Irritado, o motorista do Uber teria dito que não iria para Nova Jersey.

Fusco declarou que pediu mais de uma vez para que a corrida fosse realizada, mas ao invés de simplesmente negar, o motorista teria "arrastado" o passageiro para fora do carro e começou a sessão de espancamento. Fusco teria ficado com vários dentes e ossos da face quebrados, além disso, indícios apontam que o motorista continuou chutando a cabeça de Fusco mesmo depois que ele já estava desmaiado.

O passageiro foi deixado em uma poça de sangue, na noite nevava muito e ele 'quase congelou'. Câmeras de segurança teriam flagrado a ação. Ele foi encontrado por transeuntes e levado às pressas para um hospital local.

Publicidade

Uber se negou a fornecer informações

Ainda de acordo com o divulgado, o Uber teria se negado a fornecer as informações do motorista que cometeu a agressão as autoridades que investigam o caso. Esta não é a primeira vez que a empresa é acusada de "não cooperar plenamente com a aplicação da lei", em processos nos Estados Unidos.

Sophie Schmidt, porta-voz do Uber, deu entrevistas à imprensa americana e declarou que a empresa não comentaria nada sobre processos que estão em andamento. Além disso, ela confirmou que o motorista envolvido no caso informou o incidente à empresa em 23 de dezembro, e como penalidade ele foi imediatamente removido do quadro de motoristas ativos.