Lytina Kaur, de 32 anos, está vivendo a experiência de uma vida, um momento de felicidade que, durante anos, ela já não pensava que fosse possível. A mulher de Nottingham, Inglaterra, mas com ascendência indiana, já não acreditava que um dia seria chamada de #mãe. Lytina tinha somente 17 anos quando os médicos colocaram em duvida se ela engravidaria algum dia. Durante muitos anos, foi esse o cenário mais temido. Porém, em 2015, sua vida mudou completamente, quando já tinha sofrido 17 abortos, em cinco anos.

Quando tinha 17 anos, Lytina lutou contra uma leucemia mielóide aguda, um câncer agressivo dos glóbulos brancos, que obrigou a jovem a tratamentos rigorosos e a ter que passar por um transplante de medula óssea.

Publicidade
Publicidade

Foi nesse momento que os médicos lhe falaram, pela primeira vez, que, dificilmente, ela ia conseguir engravidar no futuro. Apesar de não ter se preocupado muito com isso, o seu pensamento mudou quando casou, em 2007. Começou aí a sua luta para ser mãe, mas só em 2010 ela engravidou pela primeira vez.

Viveu aí o início do seu sonho e quase levou uma gravidez de gêmeos até o final, momento em que sofreria seu primeiro #aborto. Foi esse o mais difícil de todos os que sofreria, por ser o primeiro e por ter se sentido mãe durante vários meses. Seu pesadelo continuou durante anos, sem que conseguisse segurar uma gravidez até o final. Pensou na adoção, mas decidiu por uma barriga de aluguel, mas também aí os embriões iam teimando em não resistir.

NO momento em que Lytina e o marido estavam depositando todas as suas esperanças na barriga de aluguel e sem que nada o fizesse prever, ela engravidou naturalmente.

Publicidade

Inicialmente, eles pensaram que seria esse seu 18º aborto, mas a verdade é que, em setembro de 2015, nasceu Kiran, a sua primeira filha. Sua felicidade ainda aumentou quando seis semanas depois, ela recebeu a notícia que o hospital da Índia tinha implantado com sucesso os dois embriões que restavam e que finalmente tinham resultado. A mulher poderia ir pegar as suas filhas gêmeas, na Índia.

Depois de anos de luta, Lytina foi mãe de três #Bebês em apenas seis semanas. Ela foi na Índia buscar Kajal e Kavita, as suas gêmeas, que nasceram por via de barriga de aluguel. Com tudo isso, e enquanto estava na Índia, ela voltou a engravidar naturalmente e, em junho de 2016, nasceu sua quarta filha, Kiyara, depois de 28 semanas de gestação. A menina ainda esteve nove semanas na incubadora, mas acabou se recuperando muito bem do parto prematuro e está em casa, na Inglaterra, junto com as três irmãs. Kiyara tem agora seis meses, as gêmeas têm 14 meses e a mais velha, Kiran, tem 16 meses.