O jornal The New York Post, um dos jornais mais renomados dos Estados Unidos, publicou uma matéria que abalou os moradores do Brooklyn: uma mãe matou o próprio #filho, de 4 anos, a pauladas.

O crime aconteceu na última quarta-feira (25), na residência da família no Brooklyn, Nova York, nos Estados Unidos. A mulher, Zarah Coombs, de 26 anos, ficou nervosa após seu filho mais velho deixar um ovo cair no chão e fazer uma sujeira na cozinha. A mulher resolveu bater no menino com um pedaço de madeira.

Quando a mulher percebeu que seu filho não reagia, parou de bater nele, então ainda esperou aproximadamente trinta minutos para chamar as autoridades para o socorro.

Publicidade
Publicidade

A polícia chegou rapidamente ao local e levou o garoto para o hospital mais próximo, mas, infelizmente, o menino não resistiu aos ferimentos e faleceu.

Segundo informações da policia local, Zarah confessou que perdeu a noção e bateu no filho na hora do nervoso, ela também tentou se justificar contando que sofre de desequilíbrio mental e depressão pós-parto. Além do filho morto, a mulher tem mais dois filhos, um de 1 ano e outro de apenas 1 mês de vida. Os filhos estão com o namorado da mulher até a Justiça decidir o que será feito.

Zarah Coombs é americana e trabalhava em uma instituição de ensino infantil, os vizinhos e parentes não entenderam como a mulher pôde ter cometido um #Crime tão brutal contra o próprio filho, ninguém imaginou que ela poderia ser capaz de fazer isso.

Thomas Coombs, irmão da mulher, concedeu uma entrevista para o jornal, contando da sua indignação contra a irmã e pedindo justiça.

Publicidade

Thomas ainda afirmou que chamar atenção ou dar broncas e até mesmo uns castigos são normais com as crianças, mas bater com pauladas e matar uma criança, um filho, é inaceitável. Ele espera que a irmã pague por seu crime com pena máxima.

Lamentavelmente, os casos de agressões contra crianças estão aumentando nos últimos anos, e a maior parte dos casos são os próprios pais que cometem, ou seja, aqueles que deveriam proteger estão agredindo e, até mesmo, matando seus filhos. #mãe