Relações entre animais e seus donos chamam, constantemente, a atenção de todos nós. Os cães, por exemplo, são conhecidos como os "melhores amigos do homem". Não é à toa que isso ocorre. Afinal, não faltam casos que demonstram o carinho entre os donos e seus pets.

Nesta quinta-feira, 26, o jornal carioca "O Globo" publicou uma reportagem sobre um #cãozinho da Turquia. O caso, inicialmente, ganhou destaque graças ao tabloide inglês "Daily Mail". A história do pequeno animal, de nome #Cesur, começou a ficar conhecida quando o dono dele, Mehmet Ilhan, faleceu. O proprietário do doce animal tinha 79 anos e morreu na cidade de Bursa.

Publicidade
Publicidade

Em seu funeral, no entanto, o devotado e fiel cão acabou chamando mais atenção até mesmo do que o morto.

Isso porque ele não saía de perto do caixão do homem que tanto amava. Durante o velório, Cesur ficou sentadinho perto do dono, que estava exposto a dezenas de amigos, que também fizeram questão de aparecer durante o adeus. A questão é que, mesmo após dois anos da morte de Mehmet, o animal continua a ir ao túmulo do proprietário. Com um detalhe: isso ocorre todos os dias. Os funcionários do cemitério até já são amigos de Cesur, que sabe o caminho exato em que o seu dono foi enterrado.

Um vídeo divulgado pelo "O Globo" mostra como funciona o comportamento de Cesur. Ele entra sozinho no local e encontra, sem a ajuda de ninguém, o túmulo do dono morto. Em seguida, fica horas ali, quietinho, como se estivesse pensativo.

Publicidade

"Meu pai sofria de paralisia e resolveu adotar Cesur para lhe fazer companhia", contou Ali Ilhan, filho do homem sortudo, que mesmo após a morte, tem a companhia do animal que tanto amava.

Veja abaixo o vídeo que mostra a devoção do cãozinho pelo seu dono, mesmo após a morte dele.

Na sua opinião, os animaizinhos entendem que seu "pais" realmente faleceram e podem sentir sua perda, mesmo após muito tempo, como no caso mostrado nesta reportagem? Deixe seu comentário. Ele é sempre muito importante para todos nós e ajuda a estabelecer o diálogo.