O presidente eleito nos #EUA, Donald #Trump, tomou posse oficial do cargo na sexta-feira, 20 de janeiro, em cerimônia realizada em Washington DC.

Durante a cerimônia de posse, milhares de pessoas se manifestaram em todo o país, tanto contra, como a favor do novo presidente, o 45º presidente eleito no país, cuja propaganda eleitoral foi marcada por falas polêmicas e de promessas políticas muito mais conservadoras do que as de seu antecessor, Barack Obama.

Mas o que realmente pode mudar com Trump à frente dos EUA?

1. Mudanças na relação Rússia/EUA

Como dito anteriormente, Trump já demosntrou interesse em aproximar-se da Rússia, e fez muitos elogios ao atual presidente russo, Vladimir Putin, que, por sua vez, também já demonstrou simpatia às ideias de Trump.

Publicidade
Publicidade

DonaldTrump afirma que começará seu mandato confiando em Putin, mas que manterá as sanções dos EUA contra a Rússia por enquanto, dizendo que pode até retirá-las caso os EUA firmem ''bons acordos'' com o país.

2. Mudanças na OTAN

Trump afirma que a maior aliança militar do mundo, a OTAN (Organização do Tratado Atlântico Norte), está obsoleta, e que a maior parte de seus 28 membros não cumprem com suas metas de gastos; pelo menos 2% do Produto Interno Bruto (PIB) de cada aliado do bloco deveriam ser gastos com a área de defesa. Para Trump, estes são ingratos e estão se aproveitando da generosidade norte-americana. Washington é, atualmente, quem mais gasta com o setor militar no mundo. Trump declarou que considera a OTAN muito importante para ele, mas tais críticas deixaram os aliados europeus em clima de tensão.

Publicidade

O ministro de Relações Exteriores alemão disse que os comentários de Trump já causam desconforto e preocupação na aliança.

3. Fim de acordos climáticos

#Donald Trump não acredita em aquecimento global. O presidente dos EUA já fez declarações dizendo que não acredita que haja alguma relação entre a ''atividade humana'' e um cenário de alterações climáticas, e que cancelaria o Acordo de Paris (tratado entre todas as nações que determina a redução das emissões de dióxido de carbono na atmosfera a partir de 2020).

4. Fim de acordo nuclear com o Irã

O ex-presidente Barack Obama concordou em suspender as sanções contra o Irã ao propor um acordo para limitar a atividade nuclear no país, no entanto, para Trump, este foi um péssimo negócio, e durante sua campanha, declarou que teria como principal prioridade desfazer este acordo, porém, depois de eleito, ele não diz exatamente como pretende agir neste caso. O ministro de Relações Exteriores do Irã pede a Trump que não revogue o acordo. O Irã é um ponto chave no conflito sírio, e a revogação deste acordo teria grande impacto no Oriente Médio.

Publicidade

5. Relações EUA/América Latina

Trump prometeu, durante sua campanha eleitoral, construir um muro ao longo da fronteira de EUA e México, e fazer com que os mexicanos pagassem por essa obra. Também propôs deportação em massa para imigrantes hispânicos. Muitos brasileiros em situação irregular nos EUA também já se sentem ameaçados com deportações em massa.Todo o clima de incerteza que se instalou no México com as declarações de Trump acerca do país fez com que o peso mexicano despencasse. Trump ainda não deu detalhes do que realmente pretende fazer, e a América Latina vive com essas incertezas.

Outros questionamentos

Alguns outros questionamentos sobre como será o governo Trump estão focados nos acordos de livre comércio, incluindo o Nafta (Canadá, Estados Unidos e México), que segundo Trump está causando perda de empregos nos EUA. Trump também declarou que pretende retirar os EUA da OMC (Organização Mundial de Comércio) e tem ameaçado empresas, sobretudo montadoras de automóveis, com taxas sobre bens manufaturados no México.

Com todas essas medidas, Trump pretende criar mais empregos para os norte-americanos. A China também já está, por esse e por outros motivos, sob o olhar e a mira de Trump, que acusa os chineses de desvalorizar propositalmente sua moeda para baixar os preços globais de exportações.