O pastor Robert Jeffress da primeira igreja Batista de Dallas, no Texas, alegou que o presidente Norte Americano Barack Obama tem "sangue cristão nas mãos" por não abordar a crescente perseguição cristã em todo o mundo. Jeffress argumenta que tamanha perseguição se resume à ira dos muçulmanos pelo apoio histórico dos cristãos ao povo judeu.

Jeffress apareceu em "Varney & Co.", no canal Fox Business, na terça-feira, para comentar um relatório recentemente divulgado pelo sociólogo italiano e autor Massimo Introvigne, que descobriu que mais de 90 mil cristãos foram mortos em 2016, enquanto entre 500 a 600 milhões enfrentam perseguição por sua fé.

Publicidade
Publicidade

Nos últimos anos, vimos um aumento da violência em muitos países africanos, no entanto, os resultados do pastor e sua equipe observam que a maior parte da violência contra os cristãos em todo o mundo é devida ao extremismo islâmico.

O pastor da igreja afirmou que #Obama e o Secretário De Estado John Kerry "têm sangue em suas mãos por muito disso que está acontecendo aos cristãos", argumentando que as ações da administração em que ambos governam, ignoraram a perseguição cristã e a alimentaram em diferentes partes do mundo. Jeffress ainda complementou dizendo que John Kerry e Barack Obama estão do lado errado da história e que eles estão do lado contrário a Deus.

Quando perguntado quais laços ele acredita que Obama pode ter com muçulmanos ou islã, Jeffress respondeu que acha Obama um armário muçulmano.

Publicidade

E que não sabe o que ele é. Mas que obviamente o Islã teve uma grande influência em sua vida, através de seu pai e padrasto. O pastor ainda sugeriu que a simpatia de Obama pelos muçulmanos está deixando-o cego para o que os cristãos estão passando.

O chefe religioso afirmou também que Barack Obama acha que os muçulmanos são os que estão sendo perseguidos, e que ele devia mudar esse pensamento. Jeffress conclui dizendo que Obama está contribuindo para que os cristãos sejam perseguidos, não só ao redor do mundo, mas também na América do Norte. #Religião #Política