Um artigo compartilhado por um site sueco revelou como 72 pessoas daquele país (denunciadas pelo site) compartilhavam e consumiam pornografia infantil na #Internet. Logo após a publicação, o site Torrent Freak fez uma revelação, confirmada por um dos fundadores do site The Pirate Bay. A revelação mostra como o maior domínio de pirataria do #Mundo tentou ajudar autoridades suecas para localizar e prender abusadores sexuais, que compartilham pornografia infantil na internet.

O fato teria acontecido "há alguns anos", quando ao perceber esse tipo de conteúdo com compartilhamento via torrent, um dos fundadores do The Pirate Bay, Tobias Andersson, ofereceu ajuda para a polícia, dizendo que poderia ensinar autoridades suecas a localizar os abusadores sexuais através do número de IP dos usuários.

Publicidade
Publicidade

Como conta Andersson, em meio a um dos processos que o site enfrentava por pirataria, ele foi chamado pela Polícia Nacional sueca para conversar com um policial e um técnico. Na ocasião, as autoridades pediram para Andersson e para sua equipe instalarem um filtro, para que conteúdos como a pornografia infantil desaparecessem das buscas do site, ficando mais difícil para a ação dos abusadores.

Na ocasião, Andersson explicou que um bloqueio para palavras impróprias era fácil de ser quebrado. Para ajudar, o cofundador do site disse que chegou a mostrar como os policiais, de uma maneira fácil, poderiam chegar a todos abusadores. Mas, Andersson percebeu que os policiais não se interessaram pelo que foi mostrado.

O criador do The Pirate Bay ainda diz no artigo que diariamente esses conteúdos são excluídos do site.

Publicidade

No entanto, abusadores tentam sempre, novamente, postar os mesmos conteúdos, mesmo sabendo que serão apagados. Para o site Torrent Freak, com ironia, Andersson define que infelizmente as autoridades estão interessadas em derrubar o site "por causa de um filme ruim de Stanley Kubrick, por exemplo", enquanto, o The Pirate Bay poderia compartilhar longas listas com endereços e informações de usuários que, na verdade, são abusadores sexuais, compartilhando pornografia infantil na internet, assim como fez o site sueco. #Polêmica