Essa semana saiu a condenação da professora Kimberly Naquin, de 26 anos, que estava sendo acusada de abusar sexualmente de uma menor de 16 anos. As duas mantinham um relacionamento desde 2014, no entanto, a mulher foi acusada de ter seduzido a jovem, que é filha do diretor da escola em que Kimberly trabalhava.

O caso aconteceu na instituição de ensino Destrehan High School, em Louisiana, nos Estados Unidos. O escândalo veio à tona depois que a mulher foi denunciada por um familiar da adolescente que achou estranho o relacionamento das duas. Nanquim era professora de geografia e lecionava também em outras escolas púbicas.

Publicidade
Publicidade

Os agentes da lei já estavam investigando a mulher após a denúncia, e porque essa não seria a primeira vez que a mesma sofria acusações desse tipo. Os policiais chegaram a constatar que as duas tinham inclusive feito sexo várias vezes em uma das salas de aula em que a mulher lecionava, logo depois das lições.

A menina também foi ouvida pela polícia depois que as investigações começaram e confirmou que mantinha um relacionamento com a professora e narrou em detalhes como e onde os encontros entre elas aconteciam. Eles duraram cerca de um ano, e foram até agosto de 2015. Nos relatos a adolescente descreve em detalhes o apartamento da acusada.

Além disso, conta sobre uma tatuagem que a mulher tem e que só é possível ver se ela estiver nua, comprovando mais uma vez o relacionamento. A suspeita foi suspensa do trabalho, e até que saia decisão judicial permanecerá presa, sem direito à fiança.

Publicidade

Essa não seria a primeira vez que a escola é alvo de acusações desse tipo. No ano de 2013, duas outras professoras foram acusadas e condenadas a três anos de detenção com condicional e multa no equivalente a quase cinco mil reais após ficar comprovado que as duas teriam feito um ménage à trois com um aluno de 17 anos.

O #Crime aconteceu depois de um jogo de futebol na instituição no vestiário. As acusadas são Shelley Dufresne, de 33 anos, e Rachel Pespess, de 23 anos, que trabalhavam como professoras na mesma instituição que Nanquin, além disso, teriam saído depois várias vezes com o jovem. Ambos os casos mostram a necessidade de punição e do resguardo da lei para os adolescentes.

#Casos de polícia