Os líderes de governo da Rússia e dos EUA resolveram lutar contra o Estado Islâmico unindo forças. O presidente russo conversou por telefone com o líder americano, tendo as partes optado por conjuntamente combaterem o terrorismo. A estratégia política é optar por facilitar acordos bilaterais em prol de ambas as nações, facilitando, desta forma, a derrubada de grupos terroristas na Síria.

Enquanto conversavam, falaram sobre o conflito da Síria. Atualmente não há ataques, o que prepondera é um cessar-fogo desde de dezembro (apesar do conflito existir). Destaca-se que a conversa durou aproximadamente 45 minutos.

Verifica-se que que os presidentes da Rússia e EUA, Vladimir Putin e Donald Trump, buscam uma coordenação entre ambos os países com a finalidade de derrubar o estado islâmico, além de outros grupos jihadistas na Síria, como relatou o comunicado oficial que transmitiu fatos relevantes sobre o primeiro contato entre as partes com #Trump.

Publicidade
Publicidade

Consta que #Putin parabenizou o presidente americano pela vitória nas eleições, além disso, desejou sucesso, ainda afirmou que a Rússia apoiou os EUA durante os últimos dois séculos, foi aliada em duas guerras mundiais e agora vê os EUA como principal parceiro na luta contra o terrorismo internacional.

Sabe-se que trataram de outras temas relevantes, como o conflito árabe-israelense, além das crises nucleares iraniana e coreana, bem como sobre o conflito na Ucrânia, dentre outras questões consideradas relevantes como a não proliferação nuclear.

Segundo informação contida em nota oficial, Putin e Trump decidiram cooperar entre si, pois conforme O presidente russo, é importante restabelecer uma aliança econômico-comercial que beneficiará ambos os países em questões empresariais, sem contar que consideram que as medidas elencadas buscam melhorar relações bilaterais.

Publicidade

Com isso, nota-se que existe uma forte tendência política por parte de Trump e Putin em unirem as duas nações com a finalidade de derrubar grupos islâmicos extremistas, nota-se um forte interesse político em concretizar a união.