A democracia americana sofreu um grave assalto - contudo líderes políticos de seus dois principais partidos não conseguem chegar a acordo sobre como ou até mesmo investigar. Em um movimento que é surpreendente e sem precedentes, o Escritório do Diretor de Inteligência Nacional (DNI) em 6 de janeiro emitiu uma versão desclassificada de uma avaliação secreta anterior dada a Barack Obama e Donald #Trump. Ele descobriu que os serviços de inteligência de um país estrangeiro invadiram as contas de e-mail e computadores de altos funcionários envolvidos na campanha presidencial de 2016, principalmente no Comitê Nacional Democrata, e liberaram grande parte dos dados roubados para o site anti-sigilo #WikiLeaks.

Publicidade
Publicidade

O mesmo poder hostil também obteve acesso a sistemas de computador de vários conselhos eleitorais estaduais e locais (embora não sistemas envolvidos na contagem de votos) e usou uma série de organizações de frente, canais de televisão e #Trolls de mídia social para alimentar desinformação e propaganda para o público americano, Em uma tentativa de influenciar o resultado da eleição e "minar a ordem democrática liberal liderada pelos EUA".

Em uma linguagem tão contundente como surpreendente, a avaliação, escrita pela Agência Central de Inteligência, Agência Federal de Investigação e Agência de Segurança Nacional, declara que este crime não fez nenhum mal. Embora o relatório desclassificado não divulgue suas fontes ou evidências de apoio, declara a "alta confiança" dos chefes de espionagem americanos que eles conhecem o culpado.

Publicidade

"O presidente russo Vladimir Putin ordenou uma campanha de influência. para minar a fé pública no processo democrático dos EUA, diminuir a secretária Clinton e prejudicar sua eleição e presidência em potencial. Avaliamos ainda mais Putin e o governo russo desenvolveu uma clara preferência pelo presidente eleito Trump".

Esta saga é chocante não porque há provas concretas de que a Rússia conseguiu influenciar os resultados das #Eleições, embora vazamentos de funcionários do governo para o Washington Post informaram em 5 de janeiro que os fantasmas americanos pegaram comunicações alegres entre altos figuras russas celebrando a vitória do sr. Trump. A saga é tão alarmante porque os líderes políticos e os dois partidos não conseguiram se unir em defesa de seu país.

Ryan e outros líderes republicanos têm todo o incentivo para querer que essa história desapareça e parem de lançar uma sombra na inauguração do presidente no dia 20 de janeiro. Dado o controle unificado dos republicanos da Casa Branca e de ambas as câmaras do Congresso, não esperem muito das sondagens da comissão para o corte de eleições que foram anunciadas.

Publicidade

Nas semanas que se seguiram à sua vitória eleitoral e ao assumir o cargo, Trump escolheu derrubar a confiança pública nos serviços de inteligência que em breve liderará, dizendo aos seus apoiantes que, na verdade, não acreditarão nos órgãos federais responsáveis ​​pela manutenção do país. Siga a trilha dos meios, da oportunidade e do motivo, e toda a evidência sugere que o Sr. Trump realizou seu próprio assalto no corpo político de América. #Estados Unidos