A Rússia anunciou que está trabalhando em uma nova gama de laser, plasma e armas eletromagnéticas, bem como mísseis hipersônicos, que seriam capazes de bater um porta-aviões dos Estados Unidos antes de o Pentágono perceber que ele tinha sido atingido. O vice-ministro da Defesa do Kremlin, Yuri Borisov, disse nesta sexta-feira (20) que "a seguir estão as armas hipersônicas, que exigem o uso de novos materiais e sistemas de controle que operam em um meio completamente diferente, no plasma". Uma arma hipersônica é um míssil que viaja em Mach 5 - cinco vezes a velocidade do som - e permitiria aos russos atingir um alvo a milhares de quilômetros de distância em poucos minutos.

Publicidade
Publicidade

O site tass.com informou que Borisov acrescentou: "Nós esperamos um avanço particularmente grave no domínio das questões de laser, armas eletromagnéticas e assim por diante." As afirmações foram feitas a jornalistas durante entrevista na Academia Russa de Ciências de Moscou.

Os concorrentes mais poderosos da Rússia

Acredita-se também que os Estados Unidos e a China estão trabalhando em armas a laser, que têm a vantagem de não ficar sem munição. Em 2010, o gigante de armas americano Raytheon demonstrou uma arma laser que foi capaz de disparar quatro drones fora do céu e em 2014 a Marinha dos #EUA realizou vários testes a laser no Golfo Pérsico.

Borisov disse que os cientistas russos também estão trabalhando em futuras armas que foram “baseadas em princípios físicos nunca utilizados antes nesse campo”.

Publicidade

De acordo com ele, “as próximas armas exigem novos princípios de controle de operações de tropas porque hoje alguém que aprende a detectar o inimigo mais rápido é quem realmente ganha e dar a designação de destino e tudo isso tem que ser feito em tempo real”.

Ele ainda avalia que o vencedor de um conflito militar é o país que poderia operar sistemas complexos mais rapidamente, e que as decisões de guerra que antigamente levavam horas ou mesmo dias eram agora decididas em minutos e segundos. "Nós elaboramos um plano de ação. Por um lado, nossos oficiais estão aprendendo no sentido direto desta palavra. Cursos especiais estão sendo organizados para eles. Por outro lado, temos ativado institutos acadêmicos com nossas ideias em certa medida e eles estão começando a pensar em novas abordagens para modelar operações graves”.

O presidente russo, Vladimir Putin, tem investido bilhões na modernização das forças armadas de seu país nos últimos anos à medida que uma "nova guerra fria" cresceu cada vez mais com a América sob o governo Barack Obama e seus aliados da Otan (Organização do Atlântico Norte), especialmente a Polônia e os países bálticos.

Publicidade

Novo presidente dos EUA tomará decisão importante sobre o assunto

Donald Trump, que na semana passada disse que a Otan era "obsoleta", tomou posse nesta sexta-feira (20) como presidente dos Estados Unidos e uma das primeiras tarefas que terá será decidir se competirá com a Rússia na nova corrida armamentista ou tentará "fazer a paz".

No início desta semana, o Ministério da Defesa da Rússia lançou um #Vídeo mostrando soldados em camuflagem de neve disparando o sistema Tor, que foi projetado para proteger os edifícios de ataques com mísseis.

Mas o Tor poderia ser usado contra misseis antitanque em uma situação de guerra e seria até mesmo capaz de atirar a bomba Paveway guiado por laser de um bunker.

Confira anova demonstração da Rússia postada na internet:

#Russia