De acordo com o site britânico Daily Star, cientistas estão preocupados com a possibilidade de que o supervulcão italiano conhecido como Campi Flegrei (Campos Flégreos em português) possa causar um desastre de proporções gigantescas ao entrar em erupção e matar milhões de pessoas na #Europa, além de alterar o clima no mundo todo.

Pesquisadores afirmam que o conjunto formado por 24 crateras e edifícios vulcânicos – que se localiza na cidade de Nápoles – tem mostrado preocupantes sinais de que está "acordando". Se, de fato, Campi Flegrei produzir uma grande erupção, possivelmente causaria instantaneamente a morte de milhões de pessoas por incineração e sufocação em toda a Europa, e lançaria cinzas que bloqueariam o sol durante meses ou até anos, deixando o continente na escuridão.

Publicidade
Publicidade

Além disso, a fumaça e os gases lançados na atmosfera causariam chuva ácida e acelerariam o efeito estufa, desestabilizando ecossistemas pelo mundo todo.

Potencial de causar o Apocalipse

Diferentemente dos vulcões comuns, supervulcões têm caldeiras (o lugar de onde a lava e as cinzas saem para a superfície) que podem atingir dezenas de quilômetros de extensão – às vezes só percebidas ou visualizadas em sua totalidade através de imagens feitas por satélites. Segundo a Wikipédia, existem 26 supervulcões conhecidos ao redor do mundo, e todos aqueles que continuam ativos – incluindo o supervulcão italiano – têm potencial para causar catástrofes globais e extinção em massa.

Campi Flegrei entrou em erupção pela última vez em 1538, se mantendo ativo por oito dias e criando uma nova montanha, conhecida atualmente como Monte Nuovo.

Publicidade

No entanto, o Daily Star revelou que sua erupção mais poderosa aconteceu há cerca de 39 mil anos.

Imprevisibilidade

Infelizmente, os cientistas não têm ideia de quando o supervulcão irá produzir uma explosão, e nem qual será sua exata intensidade. Eles apenas sabem, através de monitoramento, que o conjunto de Campi Flegrei mostra sinais de que uma erupção está por vir, já que foi constatado que magma vem acumulando sob o solo desde 2005.

Dr. Luca de Siena, professor de geofísica na Universidade de Aberdeen (Reino Unido), é um dos principais pesquisadores que estudam o vulcão, e segundo ele, os atuais sinais de atividade indicam que, provavelmente, uma erupção parecida com a de 1538 poderia acontecer em breve, ao invés de uma semelhante àquela de 39 mil anos atrás. Mas mesmo sendo considerada "pequena", uma explosão dessa magnitude afetaria 350 mil pessoas que vivem perto de Campi Flegrei, matando milhares e afetando a economia de toda a Europa.

O vulcanólogo Stefano Carlino, do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia da Itália, concorda com Siena, mas disse ao Daily Star que é impossível determinar o comportamento do supervulcão a longo prazo.

Entretanto, qualquer que seja o cenário, o Dr. Luca de Siena afirmou que o futuro que Campi Flegrei reserva "parece sombrio". #Tragédia #Natureza