Ao menos pelos últimos vídeos que demonstram a ousadia de traficantes armados, o ano de 2017 promete ser movimentado em termos de avanço da criminalidade no Rio de Janeiro.

Dois vídeos oriundos da Zona Norte da cidade mostram que a polícia do Rio vai ter bastante trabalho na região. Em um deles traficantes armados aparecem dando um passeio pelas ruas e dando avisos sobre futuros confrontos em vias de acontecer entre grupos rivais. Em outro vídeo mais de 10 criminosos aparecem dançando com armas em punho em um baile no Morro do Turano.

Os dois vídeos estão em poder da polícia, que investiga as imagens para identificar e localizar os bandidos.

Publicidade
Publicidade

O vídeo mais recente é o registro feito por um discípulo do traficante Anderson Rosa Mendonça, o Coelho, que está preso. Ele filma os companheiros em um carro em movimento. Há armas no veículo e os diálogos mostram claramente a ligação de todos com o mundo do tráfico.

A ousadia é tamanha que o “cinegrafista” apresenta os integrantes da “Tropa do Coelho”, dizendo os nomes e mostrando o rosto de cada um dos passageiros no veículo.

Ao passarem pela favela controlada por um grupo rival, eles afirmam que ela está em poder do inimigo, mas apenas por enquanto, pois será em breve tomada pelo bando do Coelho.

“Brinca com a gente não hein rapa! Aqui nós tá é pesadão. Teu morro por enquanto. Quando a tropa piá, tu vai peidar (sic)”, diz o bandido que faz as imagens.

No banco de trás do carro, o comparsa reforça: “Teu morro por enquanto.

Publicidade

Quebrei tudo na Coroa”.

O vídeo foi gravado quando o bando passava pela Rua Itapiru, uma das vias mais movimentadas do bairro Rio Comprido, na Zona Norte. Essa rua dá acesso a uma boca de fumo cobiçada no mundo do #Crime.

Conforme as primeiras informações da Delegacia de Combate às Drogas, o bando que aparece nas imagens seria procedente do Morro do São Carlos, no Estácio. Essa comunidade é comandada por uma facção rival à que atua no Morro da Coroa, cujo o acesso se dá pela Itapiru.

Ambas as favelas têm a presença de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), projeto que prometia acabar com o tráfico e com as guerras decorrentes do comércio de entorpecentes.

#Casos de polícia