As investigações realizadas através das agências norte-americanas de inteligência concluíram que a Rússia apoiou os ataques cibernéticos na tentativa de causar tumulto nas eleições presidenciais. A conclusão foi aceita por Donald Trump que irá anunciar ações em resposta. Essa afirmação foi feita pelo seu futuro chefe de gabinete neste domingo (8).

Foram meses de investigações e elas finalizaram e confirmaram as suspeitas do FBI e da CIA a respeito do envolvimento da Rússia na disseminação dos e-mails. Tal fato ocorreu durante a corrida eleitoral que aconteceu no país norte-americano em 2016.

Na ocasião, a CIA afirmou com veemência que Trump aceitou, de fato, a ajuda dos russos para que assim ele conseguisse vencer a corrida presidencial, se tornando então o presidente eleito pela população dos Estados Unidos.

Publicidade
Publicidade

Trump aceitou o fato de que a Rússia teve participação na divulgação dos e-mails, afirmou Priebus, em uma entrevista que ele concedeu ao Fox News Sunday.

Várias vezes, Trump negou que recebeu ajuda dos russos nestas eleições. Ele argumentava que tais insinuações eram ações de seus opositores políticos na tentativa de diminuir sua vitória. Durante a corrida presidencial, Trump emitiu várias notas negando com veemência e afirmava que jamais aceitaria ajuda da Rússia para ganhar as eleições dos Estados Unidos.

Entretanto, os comentários de Priebus marcaram uma mudança muito significativa na conduta do futuro presidente.

Pela primeira vez um membro do alto escalão da equipe presidencial assume que, de fato, Trump realmente foi conivente, aceitando a participação de Moscou na difusão dos e-mails dos Democratas durante a corrida presidencial de 2016.

Publicidade

Uma nota foi emitida no dia 6 (sexta-feira), após ter recebido notificações das centrais de inteligência, mas Trump não se referiu diretamente à atuação dos russos em sua campanha presidencial.

Sem dar muitos detalhes, Priebus disse que ações serão tomadas, e afirmou que Trump deseja que as agências recomendem o que de fato deve ser feito. #Donald Trump