Em sua política para #Refugiados e imigrantes, Donald Trump, presidente dos #Estados Unidos, assinou um decreto no sábado (28), que proíbe a entrada de imigrantes e refugiados que têm origem de sete países islâmicos. Essa atitude deixou os líderes mundiais preocupados e também repercutiu por toda a mídia mundial. Ministros de alguns países como França, Alemanha, Canada e Turquia manifestaram sua indignação.

Os países na lista do governo dos EUA cujos imigrantes e refugiados estão proibidos de entrarem nos EUA são: Iraque, Iêmen, Síria, Irã, Sudão, Líbia e Somália. Essa restrição valerá por 90 dias. Além disso, o plano suspende por 120 dias o programa norte-americano de refugiados.

Publicidade
Publicidade

Países do Oriente Médio manifestaram sua indignação quanto a essa medida. O presidente do Irã já declarou que fará o mesmo com os cidadãos norte-americanos, restringindo-os de entrar em seu país pelos mesmo período de tempo.

O primeiro-ministro Justin Trudeu, do Canadá, soltou várias notas de repúdio por meio de sua conta no Twitter. "Para aqueles que fogem da perseguição, terror e guerra, os canadenses irão recebê-los...", disse o primeiro-ministro canadense. Já os ministros de relações exteriores da Alemanha e França disseram que: "Acolher refugiados que fogem da guerra é parte de nosso dever".

A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse em nota que cada nação é responsável por suas políticas sobre os refugiados. "Os EUA são responsáveis pela política americana sobre os refugiados, assim como o Reino Unido", declarou.

Publicidade

Ela estava na cidade de Ancara, situada na Turquia.

A ONU preferiu manter um discurso mais brando, dizendo que estavam profundamente convencidos de que os refugiados precisam receber um tratamento com igualdade e oportunidades, independente de sua religião, nacionalidade ou raça.

O governo de #Donald Trump vem buscando medidas para os imigrantes e refugiados desde o dia de sua posse, que ocorreu no dia 20. Entre suas prioridades, o presidente também aprovou nessa mesma semana a construção do muro que faz fronteira com o México.