Donald #Trump continua causando polêmica. Nesta quarta-feira (25), o presidente dos #Estados Unidos disse em sua conta no Twitter que irá investigar a possível ilegalidade de aproximadamente 5 milhões de votos na última eleição presidencial que lhe deram a vitória no voto popular. “Estarei pedindo uma grande investigação sobre a fraude eleitoral, incluindo pessoas registradas para votar em dois estados, quem é ilegal e até aqueles que estão mortos (há muitos anos). Dependendo dos resultados, vamos aumentar os procedimentos de votação!” disse o presidente em sua conta na rede social.

Em reunião na Casa Branca, Trump afirmou, a líderes do Congresso, que perdeu no voto popular porque 5 milhões de ilegais votaram em Hillary Clinton.

Publicidade
Publicidade

Ontem, o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, defendeu a declaração do presidente sobre eleitores ilegais: “O presidente acredita nisso. Ele já havia afirmado isso antes” - embora nem Trump nem seus aliados ainda possam fornecer provas de que algum voto ilegal tivesse ocorrido ou influenciasse o voto popular.

Resposta

O senador Bernie Sanders, que perdeu as primárias para Hillary, disse em seu Twitter que Trump quer tornar o voto mais difícil para os pobres, jovens, idosos e pessoas de "cor".

Não foi a primeira vez

Antes do fim da contagem dos votos, Trump havia insinuado que as eleições foram manipuladas para que a candidata democrata Hillary Clinton ganhasse votos de imigrantes ilegais, pessoas que votaram em dois ou mais estados, e até mesmo pessoas mortas. O próprio Partido Republicano, através do presidente da Câmara de Representantes, Paul Ryan, negou as denúncias.

Publicidade

O bilionário perdeu o voto popular contra Hillary Clinton por aproximadamente 3 milhões de votos, porém Trump venceu a disputa à Casa Branca ao ganhar 304 votos no Colégio Eleitoral contra 227 da ex-secretária de Estado.

Ainda em seu Twitter, Donald Trump disse que irá realizar sua escolha, na próxima quinta-feira, para o nome do candidato para ocupar um dos lugares vagos no Supremo Tribunal. #Eleições EUA 2016