Embora exista a preocupação de o mundo ser assolado por uma possível guerra nuclear entre as nações, um mega vulcão, situado na Coreia do Norte (CN), pode antecipar o “fim do mundo”.

Conhecido como Monte Paektu, cientistas dizem que o vulcão, localizado entre a fronteira da CN com a China, responsável por uma das explosões mais devastadoras da história humana, pode entrar numa espécie de “erupção prematura”, devido aos testes de mísseis nucleares orquestrados pelo ditador norte-coreano.

A última vez que isso aconteceu, em 946 d.C, um buraco de cinco quilômetros se formou, e o Japão, literalmente foi “engolido” por cinzas tóxicas do Monte Paektu.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o periódico britânico The Sun, um recente estudo sobre o vulcão descobriu que ele liberou mais enxofre na atmosfera do que os pesquisadores acreditavam.

Agora, estudiosos avaliam que se ele entrar em erupção novamente, impulsionado pelos efeitos dos mísseis nucleares, afetará todo o planeta, ao gerar “efeitos climáticos extremos“.

Na avaliação de James Hammond, um dos cientistas responsáveis pela pesquisa, o artigo elaborado mostra a importância em estudar vulcões regularmente, pois, anteriormente, eles acreditavam que o efeito da erupção era menor do que o constatado.

“Este vulcão, responsável por uma das maiores erupções registradas, foi pensado para ter um mínimo de liberação de enxofre. Este é o segundo artigo de nossa colaboração com os cientistas da RPDC e estamos atualmente planejando novos projetos para entender esse enigmático vulcão", comenta.

Publicidade

A preocupação referente ao monte entrar em erupção e abalar os “pilares da sociedade moderna”, causa um efeito incomum na Coreia do Norte, inimiga declarada dos Estados Unidos.

É que agora, o país está convidando, com o aval do ditador Kim Jong-un, cientistas do Reino Unido e dos Estados Unidos, para ajudar a investigar o emblemático Paektu.

Para Stephen Grand, sismólogo da Universidade do Texas, existe a possibilidade do monte sair da hibernação. “Acho que o risco de uma erupção destrutiva aqui é muito real", alerta. #Ciência #Mídia #Curiosidades