A revista semanal alemã Der Spiegel causou #Polêmica no último sábado (4), ao trazer uma ilustração do presidente norte-americano, Donald Trump, decapitando a #Estátua da Liberdade, ícone da liberdade e dos Estados Unidos.

A ilustração mostra #Trump com uma faca ensaguentada na mão esquerda e segurando a cabeça da estátua, com a mão direita. Há ainda a legenda "America First" (América primeiro, em Português), em referência ao slogan da campanha do empresário na corrida pela Casa Branca.

Der Spiegel explica

A ilustração da capa foi feita por Edel Rodríguez, um cubano que fugiu para os Estados Unidos em 1980, como refugiado político. Em entrevista ao jornal americano The Washington Post, ele explicou que a ilustração se trata de “uma decapitação da democracia, uma decapitação de um símbolo sagrado”.

Publicidade
Publicidade

Já em entrevista para o jornal português TSF, o artista cubano relembrou a tradição norte-americana de defesa da liberdade e dos direitos individuais. "Só há um país com a Estátua da Liberdade. É um símbolo de boas-vindas a imigrantes de todos os países. Já recebeu italianos durante a Segunda Guerra Mundial. Recebeu cubanos no meio da Guerra Fria. Eu sou cubano e foi-me permitido vir para os Estados Unidos, no meio da Guerra Fria, quando Rússia e Cuba estavam contra os Estados Unidos. Ainda assim, me acolheram como refugiado", declarou.

O editor-chefe da revista, Klaus Brinkbaeumer, disse que a capa foi uma resposta à ameaça que Trump representa para a democracia, afirmando à Reuters que "a Der Spiegel não quer provocar ninguém".

"Queremos mostrar que isto é sobre democracia, liberdade, liberdade de imprensa, liberdade de justiça - e tudo isto está sendo verdadeiramente ameaçado", disse Brinkbaeumer.

Publicidade

"Então, estamos defendendo a democracia. Vivemos tempos perigosos? Sim, vivemos", continuou.

Polêmica na imprensa internacional

A capa gerou discussão no Twitter e levantou um debate na imprensa alemã e internacional. O vice-presidente do Parlamento Europeu e membro do Partido Democratas Livres (FDP, na sigla em alemão), Alexander Graf Lambsdorff, classificou a capa como “de muito mau gosto”.

O jornal Die Welt também criticou a revista, dizendo que este tipo de ilustração "prejudica o jornalismo".

"É exatamente do que o Trump precisa: uma imagem distorcida dele, que ele possa usar para distorcer a imagem dos meios de comunicação", afirmou ainda o jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung.