Toda menina costuma gostar de brincar de boneca, mas esse hábito virou caso de polícia e de investigação na Alemanha, sendo, inclusive, alvo de um alerta das autoridades locais, que foram claras: 'Se você tiver essa boneca, a destrua'. A tal boneca é 'Minha Amiga Cayla', um brinquedo falante que interagia com as crianças. Todo o problema com a 'Minha Amiga Cayla' começou quando os pais desconfiaram do brinquedo. Autoridades decidiram então fazer uma análise em alguns exemplares e descobriram que havia sérias falhas de segurança no brinquedo. Após verificarem que a boneca poderia ser hackeada, a Agência Federal do governo alemão, responsável pelas telecomunicações, mandou expressamente que o brinquedo fosse destruído pelos pais.

Publicidade
Publicidade

O pedido de destruição apareceu quando descobriu-se que a boneca poderia, por exemplo, ouvir e até falar com as crianças que brincam com ela. Isso porque o brinquedo possui um 'Bluetooth'. O dispositivo consegue ser acessado por internautas do mal e isso poderia gerar até casos de abuso sexual, afinal, a boneca poderia pedir que as crianças fizessem determinadas coisas. A empresa responsável por Cayla e uma associação de brinquedos, no entanto, divergem do governo alemão e dizem que não existe a menor razão para que Cayla seja vista dessa maneira. O caso ganhou repercussão graças a uma reportagem da BBC, uma das fontes de maior credibilidade na imprensa mundial.

A ideia da empresa que criou a boneca é que ela fosse educativa. Por isso, quando a criança faz uma pergunta, o brinquedo consegue responder.

Publicidade

Quando uma menina perguntar como se chama o bebê de um cavalo, a boneca responderá - como mostram suas propagandas - que se chama pônei. O software de Cayla virou polêmica ainda no ano de 2015, mas dois anos depois o problema se intensificou e a boneca virou alvo de reclamações em todo mundo. Há queixas de pais da Europa e dos Estados Unidos.

O governo alemão agora investiga se a boneca pode ser considerada uma violadora da segurança estatal, incluindo aí toda a União Europeia. #Investigação Criminal