Personalidades britânicas fizeram um apelo ao governo do #Reino Unido no último dia 14 para manter o programa de acolhimento de crianças imigrantes, consideradas vulneráveis, da Europa. Mais de 200 atores, músicos, autores e apresentadores, incluindo nomes como Benedict Cumberbatch (Sherlock), Keira Knightley (Piratas do Caribe), a banda Coldplay, o ex-atacante da seleção inglesa Gary Lineker e Carey Mulligan (Educação) assinaram a petição.

Conhecida como emenda de Dubs, a alteração da lei, aprovada ano passado pelo parlamento após a decisão do Brexit, concordava em aceitar as crianças que chegaram à União Europeia antes de 20 de março de 2016.

Publicidade
Publicidade

Porém, na última semana, o governo britânico anunciou que pretende parar com o programa, com a justificativa que incentiva o tráfico humano. Agências humanitárias, parlamentares da oposição e o Arcebispo da Cantuária criticaram a decisão. Em carta, na qual as 200 personalidades assinaram, direcionada à primeira-ministra Theresa May, repudia a ação e fala que o país é maior que esta questão, que a decisão é vergonhosa e constrangedora. Ainda na carta, apoiada por instituições de caridade como Citizens UK e Help Refugees, o governo tem que concordar em prolongar o programa e reconsultar os conselhos de imediato.

Entenda o caso

O abaixo-assinado aconteceu após a ministra do Interior, Amber Rudd, ter anunciado o fechamento do esquema para receber 3 mil menores refugiados. O pedido de manter o programa foi entregue na residência oficial da primeira-ministra pelo ex-refugiado e deputado trabalhista Lord Dubs.

Publicidade

O texto aprovado em 2016 não dizia o número exato de crianças que seriam recebidas pelos países que fazem parte do Reino Unido. James Brokenshire, então ministro de Imigração, disse que até 2020, três mil crianças seriam recebidas pelos britânicos. Rudd diminuiu essa expectativa para apenas 350 menores, gerando as críticas.

Somente no ano passado, mais de 900 #Crianças Refugiadas, sem a supervisão de um adulto, foram realocados no Reino Unido.