Todos os dias, nos deparamos com previsões catastróficas. Algumas delas são de dar bastante medo. No Brasil, por exemplo, Carlinhos ganhou fama após supostamente prever a queda do avião com o time da Chapecoense. O clube, que viajava no ano passado para a final da Copa Sul-Americana, acabou sendo vítima de uma tragédia aérea. 71 pessoas faleceram em Medellín, na Colômbia. Se as previsões pelos ditos paranormais já dão o que falar, imagina então aquelas feitas por cientistas? Pois é, um astrônomo russo está provocando grande divergência entre os estudiosos por afirma algo nada normal, o fato de que um suposto asteroide cairia na terra nos próximos dias.

Publicidade
Publicidade

O astrônomo russo foi identificado como Dyomin Damir Zakharovich. Pela previsão dele, a pedra gigante pode cair ainda nessa semana. A NASA, agência nacional americana, no entanto, não confirma a informação. Enquanto isso, o astrônomo chega a dizer que tal pedra cairá na quinta-feira, 17. Ele garante que o seu potencial destrutivo é tão grande que pode causar um tsunami terrível gerando o #Fim do mundo. Dyiomin é categórico e afirma que, caso não for feito, todos nós seríamos dizimados, assim como aconteceu há alguns milhões de anos com os dinossauros. A NASA nega que essa previsão do astrônomo tenha algum fundamento.

De acordo com informações do cientista, o fim do mundo aconteceria devido a uma colisão entre o asteroide 2016WF9 e nosso planeta. A colisão, caso ocorrerá, provocará um tsunami tão grande que os continentes seriam inundados.

Publicidade

Toda a vida que estivesse neles, por consequência, também acabaria. Um tanto quanto demais, não? A pedra gigante foi descoberta desde o ano passado. A NASA garante que o asteroide existe, mas ele seria de pequenas proporções, podendo ser confundido ou virando uma nuvem de poeira, caso se choque com nossa atmosfera.

No entanto, o russo cientista diz que o asteroide tem um quilômetro de diâmetro e que nada restaria. A pedra teria partido de Nibiru, um planeta que ainda sequer teve a sua existência comprovada no sistema solar.