Todos os dias, a imprensa é permeada de muitas notícias relacionadas ao #Crime de estupro. Infelizmente, esse é um mal que ainda existe em nossa sociedade. Nesta quinta-feira, 23, no entanto, uma notícia divulgada aqui no Brasil pelo site do jornal carioca 'O Globo' chamou a atenção de muita gente. A publicação conta a história de uma aluna da Sacred Heart University, localizada no estado do Connecticut, nos Estados Unidos. O motivo bizarro que a fez virar notícia é que a jovem simplesmente inventou que sofreu um estupro coletivo. Identificada como Nikki Yovino, a bela jovem disse aos quatro cantos que foi abusada sexualmente por dois atletas do futebol americano da Sacred Heart University.

Publicidade
Publicidade

No entanto, toda a invenção mirabolante da jovem tinha um motivo inacreditável. Ela não queria perder a chance de conquistar um grande amor. Era com a história de estupro que a jovem americana acreditava que conseguiria paquerar melhor o rapaz. Aos dezoito anos, a garota relatou que, em outubro do ano passado, havia sido forçada a sair de uma festa fora do campus e ter relação sexual com os dois atletas. A história parecia estranha, já que outras pessoas questionavam o relato da jovem. Após muita pressão dos investigadores da lei, a jovem decidiu abrir o bico e revelou que o sexo foi mesmo consensual.

"Ela admitiu ter forjado a alegação de ataque sexual", diz um documento sobre o caso, que foi divulgado pela polícia da região à imprensa. O comunicado presente no documento continua e diz que a invenção do estupro foi a primeira coisa que passou na cabeça da garota, a fim de esconder que ela tinha feito sexo com dois rapazes porque quis e porque queria conquistar um terceiro garoto.

Publicidade

A jovem disse que inventou isso, pois acreditou que a sua paixão ficaria com muita raiva dos jogadores de futebol e que, em seguida, ficaria a seu lado, sendo parceiro e solidário com tudo o que houve.A universitária foi indiciada por falso relato de crime e por forjar provas. Ela está presa e pode ficar anos na cadeia. O julgamento ainda não aconteceu. #Investigação Criminal