Hoje em dia o Brasil é um país democrático no qual todos são obrigados a votar nas #Eleições, porém, até mesmo nos países democráticos existem algumas diferenças nos métodos de contagem de votos e até mesmo algumas diferenças no sistema representativo, que podem ser o presidencialismo, monarquia e o parlamentarismo. Veja agora como funcionam as eleições em outros países.

Canadá

O Canadá é um país que adotou o sistema parlamentarista. Partindo desta observação, o país não tem divisão de poderes como legislativo, judiciário e executivo. O voto é executado de uma maneira diferente do Brasil. Enquanto aqui no Brasil os eleitores escolhem diretamente seus candidatos, no Canadá os eleitores votam em um partido específico, que posteriormente irá escolher os seus representantes.

Publicidade
Publicidade

Inglaterra

A Inglaterra adota a monarquia parlamentarista, ou seja, o Parlamento governa sob a orientação de um Monarca. O Parlamento da Inglaterra é constituído pela Câmara dos Lordes, que são indicados, e a Câmara dos Comuns, que são os eleitos.

As 650 circunscrições da Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte e País de Gales são constituídos por mais de 70.000 eleitores, que escolhem um deputado que possa representa-los na Câmara dos Comuns.

#Estados Unidos

Nos Estados Unidos, o presidente do país não é escolhido pelo voto direto, mas por um colégio eleitoral constituído por delegados estaduais, que são selecionados diretamente pelo povo. Com isso, cada estado fica responsável pelo seu próprio código eleitoral e este é o motivo para que haja tanta confusão na apuração final dos votos.

Países totalitaristas e ditatoriais

Em países totalitaristas e ditatoriais não há o voto direto do povo para escolher um representante, pois o povo não possui direito ao voto.

Publicidade

Com isso, os governantes assumem o poder e procuram acabar com qualquer manifestação contrária ao governo.

Alguns países que possuem regime totalitarista hoje em dia são: China, Vietnã, Venezuela, Cuba, Coreia Do Norte, Sudão e vários países da África e do Oriente Médio. #noticia política