#Michael Flynn, #Conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, pediu demissão na noite desta segunda-feira (13) devido às denúncias de que havia discutido as sanções impostas pelos americanos à Rússia com um embaixador russo, em Washington, antes da posse do presidente Donald Trump.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o assunto discutido por Flynn foi a sanção imposta pelos Estados Unidos (EUA) à Rússia quanto a anexação por Moscou da região ucraniana da Crimeia em 2014 e também as atividades separatistas de grupos pró-Rússia no leste da Ucrânia.

Em sua carta de demissão citada pelo jornal O Globo, o ex-conselheiro de Segurança afirma que “transmitiu sem querer ao então vice-presidente eleito e a outros informações incompletas sobre suas conversas telefônicas” com o embaixador russo.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a lei americana, Flynn não poderia ter realizado tal ação, pois ainda era considerado cidadão comum antes da posse.

Rússia

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, declarou, nesta terça-feira (14), que a demissão do conselheiro de Segurança Nacional, Michael Flynn, é um assunto interno dos Estados Unidos, “Dissemos tudo que queríamos dizer”, afirmou em conferência telefônica citada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Entretanto, a demissão de Flynn lança novas suspeitas sobre a relação dos Estados Unidos e da Rússia. De acordo com o jornal The Guardian, nunca houve o caso de um conselheiro de Segurança Nacional ser forçado a desistir de seu cargo em menos de um mês, o que faz surgirem questões relacionadas ao que o presidente sabia exatamente do comportamento de Flynn.

Consequências para o governo

Segundo a ex-advogada da NSA (Agência de Segurança Nacional) Susan Hennessey, em entrevista para o The Guardian,Trump pode pensar que Flynn é o cordeiro para o sacrifício, mas a verdade é que ele é o primeiro dominó.

Publicidade

Na medida em que a administração acredita que a renúncia de Flynn fará com que a história com a Rússia desapareça, eles estão enganados”, declarou.

Ainda segundo Hennessey, a demissão de Flynn apenas valida a suspeita de que há algo estranho entre os laços de Trump com a Rússia. #Conselheiro Segurança Nacional