Um garoto chamado Yanis foi encontrado morto perto da sua casa, na cidade de Aire-sur-la-Lys, no norte da #França. O padrasto da criança, Julien, 30, o obrigou a correr no meio da madrugada de segunda, 6, como punição por ter feito xixi na cama. O garoto vestia apenas uma cueca e meias, estava com o nariz quebrado e apresentava inúmeros hematomas.

A autópsia revelou que a criança morreu de traumatismo craniano. Também foram encontrados vestígios de outros tipos de #Violência menos recentes. "Houve vários impactos sobre a cabeça, alguns dos quais são incompatíveis com uma queda", informou o promotor do caso.

O vizinho afirmou que Julien tinha surtos de raiva e gritava com frequência.

Publicidade
Publicidade

“Mas eu não lembro de ter ouvido a criança chorar”, informou ao canal France TV Info.

O padrasto e a mãe do menino, Emilie, 23 anos, estão detidos.

Julien pode ser condenado à prisão perpétua e responde por "crime com menor e homicídio voluntário com menor de 15 anos" e "violência voluntária sobre um menor de 15 por uma pessoa em posição de autoridade".

A sua companheira recebeu uma punição de cinco anos de prisão e multa de 75.000 euros.

Uma caminhada em homenagem ao garoto será organizada em breve em Aire-sur-la-Lys. Na terça-feira, 7, flores foram colocadas na escola onde o garoto estudou.

"Este tipo de indivíduo geralmente não tem uma real intenção de matar", disse a psicóloga Gabrielle Douieb, que trabalha no campo da vitimologia e criminologia. "É mais uma mistura de sadismo e ignorância que leva a não pensar no outro.

Publicidade

No caso, uma criança, frágil e indefesa." E acrescentou: "Muitas vezes, o adulto violento era uma vítima quando criança, o que causou danos significativos nele, especialmente, em sua relação com os outros" .

Em seu site, o psicólogo Michelle Larivey afirma: "Vítimas de violência na infância adotam comportamentos de carrascos em sua vida adulta. Eles também são propensos a perder o controle. Essas pessoas encontram um bode expiatório para desabafar sua raiva e vingança quando estes não se submetem à sua vontade."

#Morte