A apresentadora televisiva Pamela Posada, quando estava muito próxima de atingir seus 26 anos, manifestou-se no perfil do seu Facebook indagando-se de o que adiantava ser exemplo para uma grande quantidade de pessoas, quando na realidade não era exemplo para ela mesmo. E continuava dizendo que, na sua idade, já tinha feito de tudo esteve e deixou de estar.

A mensagem escrita foi divulgada no dia 31 de março de 2016. Desde então ela deixou de publicar com frequência suas aparições, como costumava fazer antes de todo esse desfecho.

Ela foi submetida pelos policiais como sendo uma participante de um grupo que pratica comércio ilegal de drogas, que está relacionado ao cartel de Sinaloa, organização do final da década de 1980 que foi fundada por Joaquín "El Chapo" Guzmán, hoje preso nos EUA.

Publicidade
Publicidade

A justiça de El Salvador a acusa de dar apoio logístico para que lanchas repletas de cocaína transitem pela sua costa. Além de ser suspeita por observar a entrada de drogas a uma praia na Guatemala.

O conjunto de criminosos

A operação, que tinha entre os suspeitos a ex-#Apresentadora televisiva, foi nomeada de Caleros e prendeu 28 pessoas, porém seis pessoas pertencentes ao grupo estão foragidas. Dentro do grupo, estão pessoas que usam de fachada o trabalho de pesca para traficar drogas.

Um pequeno número entre eles são suspeitos de transferir cocaína dentro das lanchas e ganhavam, como recompensa, aproximadamente US$ 20 mil (R$ 62 mil). O restante dos presos é denunciado de avisar aos traficantes sobre a circulação da Marinha, que é um trabalho chamado, em EL Salvador, como "bandeira".

Publicidade

O bônus para aqueles que ficavam observando, de acordo com a investigação, oscilava entre US$ 500 a US$ 1 mil. De igual valor era para aqueles que retiravam a #droga. Segundo a Procuradoria de El Salvador, Pamela acompanhou a retirada de algumas cargas. A ex-apresentadora diz que é inocente.

Um dos investigadores disse que ela carregou pessoas para Guatemala para efetuar o desembarque de drogas. E terminou dizendo que essas pessoas ficavam na praia de Moterrico na Guatemala.