Para surpresa da dona, de uma hora para outra, a modesta "brasserie" da cidadezinha de Bourges, localizada na região central da #França, começou a ficar lotada e com inúmeros pedidos de reserva. O motivo: um engano do mais importante guia gastronômico do mundo, o aclamado Michelin.

Tudo aconteceu porque os dois restaurantes têm o mesmo nome: "Le Bouche À Oreille" e, outra coincidência, estão situados em ruas de nomes semelhantes, porém em cidades diferentes. O que deveria ter recebido a "estrela" fica em Bouterviliers, distante uns 70 quilômetros de Paris.

Segundo Verónique, a proprietária do pequeno estabelecimento, além dos clientes habituais, novos clientes começaram a aparecer: "o problema é que não tenho muito espaço e só quatro mãos", disse ela ao jornal "Le Parisien".

Publicidade
Publicidade

Enquanto que no "Le Bouche À Oreille" de Boutervilliers o menu degustação custa 48 euros por pessoa (aproximadamente 185 reais), na "brasserie" de Verónique o prato do dia custa 12,5 euros (cerca de 40 reais) e o carro-chefe da casa é uma lasagna que custa 10 euros. Seus clientes eram, até então, na maioria, trabalhadores locais.

A diretora geral do Michelin Claire Dorland-Caluzel se desculpou, dizendo que o engano não afetou a edição impressa, nem o aplicativo do guia. Apenas a publicação na internet saiu com o endereço errado. Corrigido o erro, quem saiu ganhando foi Verónique, que conquistou fama e novos clientes.

O chef famoso de Boutervilliers Aymeric Dreux afirmou que o erro não causou prejuízo e disse ter achado graça da situação.

O #Guia Michelin foi publicado pela primeira vez em 1900 e, até hoje, não foi superado.

Publicidade

Seus "inspetores" viajam pelo mundo para descobrir quais são os melhores restaurantes, aos quais atribuem uma, duas ou três estrelas.

No Brasil, o Michelin já concedeu suas estrelas a cinco restaurantes cariocas e treze paulistas, sendo que o único com duas estrelas é o D.O.M., do famoso chef Alex Atala. Outro restaurante do mesmo Atala, o Dalva e Dito, ganhou uma estrela.

A premiação é feita em uma cerimônia que reúne os principais chefs de cozinha de cada país. Na última edição do guia no Brasil (2016), Fernanda Lima recebeu o prêmio pelo restaurante Maní, do qual é sócia. #gastronomia