Jordan Walters, de 25 anos, foi preso por um crime contra um bebê. O britânico atirou contra uma criança de 18 meses, identificada como Harry Studley. De acordo com informações do portal de notícias R7, em reportagem publicada nesta segunda-feira (27), o menino ficou um ano e meio internado.

Bravo, Harry lutou contra a morte. Ele foi atingido na cabeça por um tiro certeiro, disparado por uma arma tipo airsoft, usada em jogos de paintball. O pequeno Harry foi atingido na cabeça. Além de Walters, também foi presa sua namorada, Emma Horseman, de 25 anos.

O crime contra o menino aconteceu em 2015, na Grã-Bretanha. No entanto, as sequelas contra a criança são evidentes.

Publicidade
Publicidade

Atualmente, Harry está há oito meses longe do hospital. Sua sobrevivência é vista como um #milagre por seus pais.

O menino, que está prestes a completar 4 anos, ficou com um inchaço muito grande na cabeça e, por causa do tiro, tem diversos casos de convulsão por dia. Mesmo assim, seus pais lutam para dar o melhor para ele e ficam agradecidos pelo garoto ter vivido.

O menino terá sequelas durante toda a vida por causa do tiro. Ele perdeu parte da visão do olho direito. De acordo com o criminoso que fez o disparo, ele atirou no menino porque ele "não parava de chorar".

O garoto atingido pela arma é filho de Amy, de 21 anos. Ela havia procurado casal preso pelo crime para resolver questões pessoais. O clima ficou tenso no local e o menino começou a chorar. Jordan, irritado, pegou a arma e deu um tiro na cabeça do bebê.

Publicidade

Mãe fala sobre o que ocorreu

Em entrevista, a mãe da criança negou a versão do criminoso, que teria dito que apenas estava mexendo na arma, tentando descarregá-la, com o tiro sendo acidental. "Ele está mentindo. Eu o vi quando mirou no meu filho", disse Amy sobre o caso.

Pelo crime, Jordan Walters foi condenado há dois anos. Ao chegar à cadeia, ele foi hostilizado por outros presos. Os detentos pegaram elásticos e feijões, montando um estilingue artesanal. Ele virou alvo dos ataques e logo foi para a enfermaria da prisão.