O caso que aconteceu no Brixton, em Londres, chamou atenção de muitas pessoas no mundo, um #Homem manteve algumas mulheres presas em seu apartamento por mais de trinta anos, alegando que era Deus e obrigava as reféns a servi-lo.

As mulheres Rosie de 34 anos, Josie de 57 anos e Aisha de 69 anos viveram um grande pesadelo durante anos, Balakrishan manteve as reféns sob ameaças de morte. Ele fazia uma espécie de lavagem cerebral com as mulheres e afirmava que era #deus, não permitindo que elas saíssem do apartamento por nada.

Rosie, a mais nova da casa, passou a vida inteira no apartamento sem nunca ter visto a rua. Existem suspeitas de que Rosie é filha de Balakrishan, sua mãe era uma prisioneira do homem e mantinha relações sexuais com ele.

Publicidade
Publicidade

Após denuncias, a polícia passou investigar a rotina de Balakrishan e descobriu que havia pessoas presas em seu apartamento. Resolveu então destruir o cativeiro e liberar as vítimas.

Em um momento que o homem não estava em casa, a polícia arrombou a porta e de repente Rosie e Josie fugiram sem entender nada, as mulheres correram assustadas, a dificuldade que elas tinham para andar no meio da rua era impressionante, estava nítido que aquelas mulheres nunca saíram de casa. Quando a polícia entrou no apartamento viu mais uma #Mulher, a senhora Aisha, que estava visivelmente abatida e sem forças. As mulheres foram encaminhadas para um hospital e vão se recuperar em uma instituição para apoio a pessoas que sofrem abusos.

De acordo com o policial responsável pelo caso, as mulheres acreditavam que o homem tinha uma espécie de poder e faziam tudo o que ele e sua esposa Chandra mandavam, apenas por medo de morrer.

Publicidade

Ainda de acordo com o policial, o homem e sua esposa nunca trabalharam e viviam explorando as mulheres presas. Ao longo dos anos, eles fizeram mais de cem pessoas escravas dentro de sua casa.

Balakrishan, de 77 anos, é um indiano criado na Ásia, que quando adulto mudou-se para o Reino Unido para estudar, mas depois de alguns anos resolveu abandonar os estudos para se dedicar a sua estranha instituição dos Trabalhadores do Pensamento Marxista-Leninista-Mao Tsetung. Balakrishan costumava dizer que sua instituição era um partido revolucionário mundial composto por chineses, que levava o slogan “o presidente da China é nosso presidente, o caminho da China é o nosso”.