Um caso tem causado muita dor de cabeça para a empresa de transporte privado #UBER ultimamente. Tudo aconteceu porque um empresário francês decidiu processar a empresa após uma suposta falha do aplicativo destruir seu casamento. Ele processou a Uber em 45 milhões de euros, o equivalente a R$ 150,1 milhões.

O empresário afirma que um dia teve de usar o smartphone da mulher emprestado e fez uso do aplicativo da Uber. Após ter finalizado a corrida e terminado a sessão no aplicativo, a sua esposa continuou recebendo notificações da Uber em seu celular.

Dados como nome do motorista, placa do carro, o horário de chegada e o trajeto feito continuaram sendo exibidos no celular.

Publicidade
Publicidade

O fato fez com que a mulher desconfiasse da fidelidade do marido, pois achava que ele estava comparecendo a todos os lugares que o aplicativo mostrava. A desconfiança acabou com a mulher se separando do marido.

Uma ação foi registrada no tribunal francês da cidade de Grasse, no sul do país, e a primeira audição está marcada para ainda este mês. A Uber se negou a comentar o caso, pois se trata de algo individual e se diz respeito a vida privada de um usuário.

Bug

O advogado David-André Darmon, que defende o marido, afirmou que o cliente de fato fora vítima de um erro do aplicativo. "Esse bug causou problemas para ele em sua vida pessoal", completou.

O advogado não quis comentar os valores da ação e informou que o cliente deseja manter-se no anonimato em relação ao assunto. Por isso, sua identidade não foi revelada.

Publicidade

O bug no aplicativo

O jornal francês Le Figaro realizou um teste conectando uma conta Uber em um celular da marca iPhone. Ao se conectar e pedir uma corrida ao motorista utilizando outro aparelho celular, o iPhone anterior continuou recebendo notificações como se a conta permanecesse aberta.

A empresa afirma que a falha que causou o processo parece estar acontecendo apenas em versões do aplicativo para o sistema operacional da Apple, o IOS, e somente depois de uma atualização do software feita em dezembro de 2016. Usuários do sistema operacional da Google, o Android, estão seguros em relação a este problema. A Uber ainda está averiguando o caso. #traição #Tecnologia