Crimes de violência doméstica e sexual são dos mais horrendos que acontecem contra várias adolescentes, mulheres e crianças indefesas. Muitos desses atos são praticados por pessoas próximas da família. Todos os dias, esses atos de violência sexual são noticiados em diversos meios de comunicação.

No ano passado, uma jovem cometeu suicídio após ser mais uma vítima de violência sexual praticada por um amigo, uma pessoa que ela confiava, mas que não era quem ela realmente pensava. A vítima foi identificada como Lauren Carr, de 18 anos. Segundo familiares, a jovem era uma menina "sorridente e extrovertida" e apaixonado por cavalos.

Publicidade
Publicidade

O caso foi registrado na cidade de Mossley, na Inglaterra.

Ainda de acordo com os familiares, a jovem se tornou agressiva e começou a apresentar um comportamento fora do normal após ter sido vítima de violência sexual. A mão da jovem relata que a sua filha não recebeu nenhum tratamento psicológico adequado, por isso ela acabou recorrendo ao #Suicídio.

Segundo informações do portal de notícias “Daily Mail”, a violência sexual que a jovem sofreu foi no ano de 2014. Na época, o autor do crime contra a jovem foi preso pela polícia e condenado. Ainda de acordo com o portal, após ser violentada pelo acusado, a jovem passou a ter várias discussões com a sua mãe e até mesmo a ser ferir. Até que no mês de agosto de 2016, ela cometeu suicídio por enforcamento perto da residência onde morava.

Horas antes de ser encontrada já sem vida, ela tinha encontrado uma amiga e relatou que ela queria estar junto com o seu avô, que já era falecido.

Publicidade

De acordo com as autoridades locais, o suicídio cometido pela jovem, não aponta envolvimento de terceiros. Por isso, ninguém foi acusado criminalmente.

Conforme o portal de notícias “Mirror”, a mãe da jovem falou sobre o que ela mais adorava. "Lauren era popular e seu hobby principal era seus cavalos. Ao longo dos anos ela teve alguns cavalos, ela gostava de fazer isso e era uma cavaleira consumada. Ela era uma pessoa muito sorridente, extrovertida. Até dois anos atrás parecia muito feliz e contente” disse a sua mãe, Sarah Carr. #Investigação Criminal #Casos de polícia