Alguns crimes bárbaros acabam sendo filmados por câmeras de vigilância em grandes cidades, mostrando as atrocidades cometidas por criminosos. Esses dispositivos garantem uma segurança monitorada para empresas e casas particulares, que buscam de todas as formas evitar assaltos e entrada de estranhos.

Essas câmeras também podem registrar o movimento de criminosos em ruas movimentadas, ajudando no processo de investigação de algum #Crime. Com uma tecnologia cada vez mais acessível, as pessoas estão cercadas por vigilância permanente em suas residências e locais de trabalho.

Além das câmeras de vigilância, fotos também podem evidenciar provas de algum crime.

Publicidade
Publicidade

Com o crescente número de postagens de imagens nas redes sociais, é evidente que alguns crimes acabam sendo compartilhados por usuários. Já aconteceram casos, por exemplo, em que pessoas transmitiram a sua própria morte através do Facebook.

Essas cenas horríveis evidenciam crimes cometidos por pessoas que se exibem na internet. As imagens acabam virando provas do crime e comove pessoas em todo o mundo.

As pessoas ficam assustadas com a frieza de criminosos que são capazes de exibir o seu feito através das redes sociais. Como é o caso de um jovem americano que pode pegar 40 anos de prisão por ter cometido um crime compartilhado no Facebook.

Maxwell Morton tem apenas 18 anos, mas já carrega consigo a culpa de ter matado alguém. O jovem assassinou seu próprio amigo Ryan, e fez algo chocante após o crime.

Publicidade

O americano postou uma selfie com o corpo de seu amigo no chão, logo após o garoto ser morto por ele através de um disparo de arma de fogo.

Segundo o jovem, seu amigo morreu acidentalmente após o disparo de uma arma que eles acreditavam estar descarregada. Porém, segundo a perícia americana, Ryan não morreu no momento do disparo, e se fosse socorrido, poderia ter sobrevivido ao tiro dado por Maxwell. Ryan Magan foi morto quando tinha apenas 16 anos.

O jovem Maxwell assassinou seu amigo em fevereiro de 2015 e terá sua sentença proferida até maio de 2017. O criminoso é de Grensburburg no estado da Pensilvânia nos Estados Unidos.

#Investigação Criminal